Educadores

Ínicio : Geografia : Dissertações : 

Produções de Profissionais da Seed: Dissertações (30)


Ordenar por:  Título () Data () Notas () Popularidade ()
Ordenados por: Título (Z a A)

Categoria: Geografia Dissertações
Fazer Download agora!A paisagem como tema de estudo na 5ª série do ensino fundamental Popular Versão: 
Atualização:  9/5/2013
Descrição:
FARIA, Daniela Resende de

Esse estudo tem como objetivo a construção do conceito de paisagem, a partir de uma abordagem sociocultural, para crianças em uma quinta série do Ensino Fundamental. Como método de trabalho, escolhemos a pesquisa-ação, na qual, a professora atua como mediadora do processo de ensino-aprendizagem, viabilizando um diálogo entre os conceitos prévios que as crianças trazem consigo e os conceitos geográficos que desejamos construir. Para tanto, são analisados desenhos, discursos textuais e escritos antes e após o processo de mediação pedagógica, assim como diálogos, que foram transcritos durante todas as etapas. A partir desse material, elaboramos três categorias para o entendimento da paisagem: Paisagem Meio (na qual há a predominância da dicotomia homem meio-natural), Paisagem Bucólica (na qual encontramos o homem em perfeita harmonia com o meio) e Paisagem Humanizada (homem e meio em contraste, havendo a interferência humana em um sentido negativo). Entendemos, em uma abordagem sociocultural, que a paisagem deve ser estudada como uma categoria de entendimento da realidade presente, na qual os alunos vivem e convivem e, portanto, por onde acreditamos se iniciar um processo de ensino-aprendizagem da Geografia/Geociências mais capaz de oferecer ferramentas para o entendimento do mundo atual.

Palavras-chave: Geografia. Ensino - Aprendizagem. Paisagem. Pesquisa - Ação. Ensino de Geociências.

Downloads 10292  10292  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma http://libdigi.unicamp.br  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Dissertações
Fazer Download agora!A ideia de América Latina nos livros didáticos de Geografia Popular Versão: 
Atualização:  5/9/2013
Descrição:
DIAS, Wagner da Silva

A América Latina é um conteúdo trabalhado geralmente no oitavo ano do ensino fundamental, quando a Geografia escolar aborda a regionalização do espaço mundial. Os livros didáticos apresentam uma abordagem simplória e generalizante desse conteúdo, distanciando-se de uma proposta mais próxima da realidade, e favorecendo a criação de estereótipos. É marcante, nesses livros, a ausência de uma discussão mais aprofundada acerca do conteúdo América Latina, justificada através de uma pretensa unidade latino-americana, com base em contexto histórico e dados estatísticos. Os livros didáticos analisados invariavelmente situam a América Latina no Sul subdesenvolvido, apresentam determinadas características dessa condição e assumem como principais causas dela a colonização de exploração e o domínio externo. Um conjunto de 33 países estaria rotulado com o gentílico latino-americano, que se tornaria sinônimo das citadas características. Procuramos analisar em nosso trabalho o conteúdo referente à América Latina em três livros didáticos, além de suas referências e bases teóricas. O resultado comprovou que há um esforço para justificar uma determinada ideia de América Latina, apesar da grande quantidade de exceções para cada argumento assumido como verdadeiro e da simplificação dispensada nas justificativas. Verificamos ainda que, exatamente por se buscarem elementos unificadores para toda a região, estão ausentes discussões como: as origens do termo América Latina, a proposta inicial de sua formação e a pertinência dessa região para o conjunto de países que a integram, tendo em vista a diversidade aspectos físico-geográficos, níveis de desenvolvimento socioeconômico, nacionalidades e identidades étnicas que eles apresentam. Dessa forma, o presente trabalho constatou a necessidade de uma reformulação do conteúdo, menos simplificadora e mais questionadora da realidade latino-americana. Assim, ao contrário de continuar a busca por elementos que justifiquem a existência de uma região chamada América Latina, esperamos que se busquem outros critérios para uma regionalização menos generalizante, inclusive questionando se América Latina seria um recorte adequado para os estudos da geografia escolar.

Palavras-chave: América latina. Geografia escolar. Livro didático. Espaço mundial. Países. Região.

Downloads 1102  1102  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma USP  Site http://www.teses.usp.br/
Avaliação: 10.00 (2 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Dissertações
Fazer Download agora!A Geografia que se ensina e a abordagem da natureza nos livros didáticos Popular Versão: 
Atualização:  5/9/2013
Descrição:
SILVA, Dakir Larara Machado da

O livro didático, frente às atuais condições de trabalho do professor de Geografia, torna-se cada vez mais instrumento, senão indispensável, pelo menos necessário como complemento às atividades didático-pedagógicas. Dessa forma, é relevante analisar a forma de abordagem, não só o conteúdo proposto por este estudo, bem como os demais conhecimentos e conteúdos que tangem o saber geográfico, sobretudo aqueles ligados à natureza. Nesse trabalho são analisadas a concepção e a forma de abordagem da natureza nos livros didáticos de Geografia, particularmente na quinta série do Ensino Fundamental. De maneira específica, investiga-se os conteúdos abordados e suas adequações aos conceitos mais atuais decorrentes do acúmulo e evolução do conhecimento científico no último século. É, também, objetivo desta dissertação apresentar uma estrutura que foge da apresentação acadêmica, mais especificamente nos capítulos 3 e 4, com o intuito de tornar mais dinâmica e interessante a leitura, não só para o público acadêmico, mas também aos professores do Ensino Fundamental e Médio que estão diretamente envolvidos nesta discussão e que necessitam de um estímulo à pesquisa e ao conhecimento de novos materiais a serem investigados. A elaboração dessa dissertação foi composta das seguintes etapas: escolha dos livros didáticos a serem trabalhados; elaboração da ficha de avaliação; mapeamento e apreciação dos livros, análise dos conceitos, identificação de erros e/ou lacunas e avaliação dos resultados encontrados. A análise feita nessa dissertação permite observar que os livros didáticos apresentaram uma melhoria na sua consistência em relação ao conteúdo e à forma de abordar a natureza, objetivo deste trabalho. Percebemos que os materiais didáticos atuais têm muita qualidade, embora apresentem alguns erros, em particular no âmbito da climatologia e geomorfologia do fundo dos oceanos. A estrutura proposta e a forma de abordagem dos conteúdos da natureza demonstram uma evolução e adequação destes às críticas feitas, ao longo dos anos 80, à Geografia, ao ensino de Geografia e em particular aos livros didáticos até então produzidos.

Palavras-chaves: Geografia. Educação. Ensino fundamental. Livro didático. Natureza.

Downloads 979  979  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Universidade Federal do Rio Grande do Sul  Site http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/6780
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Dissertações
Fazer Download agora!A geografia do atrito: dialética espacial e violência em Campinas - SP Popular Versão: 
Atualização:  9/5/2013
Descrição:
MELGAÇO, Lucas de Melo

A presente dissertação tem como objetivo central promover uma discussão a respeito do diálogo entre a Geografia e o estudo da Violência. Porém, diferentemente da maioria das pesquisas feitas na área de violência urbana, as quais têm no método analítico o seu principal referencial teórico, procura-se, aqui, trazer uma reflexão dialética à questão. No atual período técnico-científico e informacional, torna-se impossível entender esta prática espacial denominada violência se a considerarmos apenas como um recorte analítico da realidade. É por este motivo que não pretendemos fazer uma “geografia da violência” ou, muito menos, uma “geografia do crime”, e sim uma geografia dos usos do território e das suas relações com a temática do crime e da violência. É necessário, então, um método que entenda o espaço geográfico enquanto um todo em movimento, um sistema indissociável de objetos e ações (SANTOS, 1997c, 1998, 1999a). Nessa busca por uma compreensão das relações entre território e violência, o Geoprocessamento se mostrou uma ferramenta de fundamental importância, tanto por suas potencialidades, quanto por suas limitações enquanto instrumento de representação do espaço geográfico. Aliando a técnica do Geoprocessamento à profundidade do método dialético foi possível se perceber o potencial da Geografia enquanto modo de compreensão da violência e, mais amplamente, enquanto instrumento de planejamento territorial. Nesta reflexão, alguns conceitos e autores aparecem com contribuições fundamentais, dentre eles o de território usado (SANTOS et al. 2000a), solidariedades geográficas (SANTOS, 1994, 1998), cotidiano (CERTEAU, 1994), além das concepções de poder e violência trazidas por Hannah Arendt (1994). Conclui-se que a violência urbana é uma questão de caráter muito mais político que propriamente técnico, e que a violência em Campinas-SP é fruto dos usos corporativos do território e das escolhas históricas feitas por esta cidade e pela formação socioespacial na qual está inserida. Pôde-se, ainda, vislumbrar o quanto a Geografia pode se aproximar de uma ciência da ação.

Palavras-chave: Dialética espacial. Planejamento territorial. Segurança pública. Uso do território. Violência.

Downloads 1260  1260  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma USP  Site http://
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Dissertações
Fazer Download agora!A Geografia do Atrito Dialética espacial e violência em Campinas-SP Popular Versão: 
Atualização:  9/5/2013
Descrição:
A Geografia do Atrito Dialética espacial e violência em Campinas-SP

Lucas de Melo Melgaço

A presente dissertação tem como objetivo central promover uma discussão a respeito do diálogo entre a Geografia e o estudo da Violência. Porém, diferentemente da maioria das pesquisas feitas na área de violência urbana, as quais têm no método analítico o seu principal referencial teórico, procura-se, aqui, trazer uma reflexão dialética à questão. No atual período técnico-científico e informacional, torna-se impossível entender esta prática espacial denominada violência se a considerarmos apenas como um recorte analítico da realidade. É por este motivo que não pretendemos fazer uma “geografia da violência” ou, muito menos, uma “geografia do crime”, e sim uma geografia dos usos do território e das suas relações com a temática do crime e da violência. Faz-se necessário, então, um método que entenda o espaço geográfico enquanto um todo em movimento, um sistema indissociável de objetos e ações (SANTOS, 1997c, 1998, 1999a). Nessa busca por uma compreensão das relações entre território e violência, o Geoprocessamento se mostrou uma ferramenta de fundamental importância, tanto por suas potencialidades, quanto por suas limitações enquanto instrumento de representação do espaço geográfico. Aliando a técnica do Geoprocessamento à profundidade do método dialético foi possível se perceber o potencial da Geografia enquanto modo de compreensão da violência e, mais amplamente, enquanto instrumento de planejamento territorial. Nesta reflexão, alguns conceitos e autores aparecem com contribuições fundamentais, dentre eles o de território usado (SANTOS et al. 2000a), solidariedades geográficas (SANTOS, 1994, 1998), cotidiano (CERTEAU, 1994), além das concepções de poder e violência trazidas por Hannah Arendt (1994). Conclui-se que a violência urbana é uma questão de caráter muito mais político que propriamente técnico, e que a violência em Campinas-SP é fruto dos usos corporativos do território e das escolhas históricas feitas por esta cidade e pela formação sócio-espacial na qual está inserida. Pôde-se ainda vislumbrar o quanto a Geografia pode se aproximar de uma ciência da ação.

Palavras-chave: Uso do Território. Violência. Segurança Pública. Planejamento Territorial. Dialética Espacial.

Downloads 1215  1215  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site http://www.usp.br
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Dissertações
Fazer Download agora!A família rubiaceae juss. na vegetação ripária de um trecho do alto rio Paraná, Brasil, com ênfase n Popular Versão: 
Atualização:  9/5/2013
Descrição:
PEREIRA, Giovana Faneco

A família Rubiaceae, descrita primeiramente por Antoine Laurent de Jussieu, em 1789, inclui representantes de hábitos variados, desde árvores, arbustos, subarbustos até ervas, além de lianas e, mais raramente, epífitas. Caracterizam-se, principalmente, por apresentarem folhas simples, opostas cruzadas ou, menos frequentemente, verticiladas; estípulas interpeciolares, raramente intrapeciolares; estames isômeros, fixados ao tubo da corola, e ovário ínfero. Distribui-se, predominantemente, em regiões tropicais principalmente na América do Sul. No Brasil, a maior representatividade ocorre na Mata Atlântica, especialmente no estrato arbustivo. Constitui uma das maiores famílias de Angiospermas com cerca de aproximadamente 637 gêneros e cerca de 10.700 espécies.

Palavras-chave: Rubiaceae. Spermacoceae. Levantamento florístico. Vegetação ripária. Planície de inundação. Alto rio Paraná.

Downloads 8275  8275  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site http://www.uem.br
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Dissertações
Fazer Download agora!A estruturação socioespacial do sistema tropeiro - o caso das tropas entre Palmas e União da Vitóri Popular Versão: 
Atualização:  5/9/2013
Descrição:
STRAUBE, Kelly von Knoblauch

A presente pesquisa busca entender a estruturação socioespacial do Caminho das Tropas, utilizando o exemplo da estrada entre Palmas e União da Vitória. Parte de uma abordagem da geografia social, com enfoque histórico-dinâmico, baseada na teoria da estruturação de Anthony Giddens. Avalia o espaço como sendo produzido e regionalizado por diferentes atores sociais. Discutem-se, neste sentido, algumas questões de sociabilidades, relações de trabalho e imagens culturais de diversos atores que atuavam ao longo do caminho, inclusive suas relações de co presença e as modificações sociais que ocorreram durante o processo de utilização da Estrada. Define-se, assim, um conceito de lugar social através de imagens estereotipadas. Neste sentido, o espaço da estrada apresenta-se inicialmente como mera localidade formada por ecossistemas e sistemas econômicos que incorporam a paisagem como recursos alocativos para os grupos sociais interessados. Formam-se, destarte, paisagens que servem como palcos para regionalizações (fixas e flexíveis) em função da atuação diferenciada dos atores envolvidos e suas regras sociais. Nestes moldes, produzem-se recursos autoritativos, ou seja, relações de poder que não só transformam os espaços, mas também servem como cenários para encenações sociais. Esta apropriação do espaço imaginário destaca pontos e áreas da paisagem, além de “personagens” estereotipadas, que aparecem às pessoas que vivem e atuam dentro e fora dela como representações simbólicas. Investigam-se, neste trabalho, principalmente as representações de imagens através de entrevistas biográficas de fazendeiros e outros agentes envolvidos nas tropeadas ao longo da Estrada de Palmas e União da Vitória.

Palavras-chave: Geografia regional. História regional. Tropeirismo. Caminho das tropas. Palmas. União da Vitória. Paraná. Brasil.

Downloads 10056  10056  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFPR  Site http://
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Dissertações
Fazer Download agora!A escola e o bairro: percepção ambiental e interpretação do espaço de alunos do Ensino Fundamental Popular Versão: 
Atualização:  9/5/2013
Descrição:
MANSANO, Cleres do Nascimento

Entre os meses de julho e setembro de 2005, nas aulas de Geografia de uma turma de quarenta alunos da 7ª série do Ensino Fundamental, de uma escola pública do Município de Maringá (PR), foi realizada uma investigação sobre a percepção ambiental que os alunos possuíam da sua escola e de seu bairro. O objetivo foi interpretar, por meio das representações do conceito “paisagem”, como eles percebiam o seu meio. A pesquisa foi realizada em oito etapas, compreendidas entre aulas teóricas em sala e aulas de campo. No início da pesquisa, foram empreendidas atividades que possibilitaram o debate e a representação de “paisagem bonita e feia”, da escola e do bairro, por meio de desenhos. No decorrer da pesquisa, por meio de atividades como questionário e produção de texto, foi possível compreender a percepção ambiental que os alunos apresentavam em relação ao espaço de estudo, tanto quanto às atitudes e valores. Também foram realizadas atividades que possibilitaram ao aluno observar e representar as imagens mentais que possuía do espaço percorrido, por meio de desenhos e mapas. A fotografia foi uma estratégia importante, que possibilitou ao aluno representar o espaço vivido na escola e no entorno, mesmo sem possuir habilidades para o desenho. Entre as atividades realizadas, foram trabalhados textos que forneceram subsídios teóricos aos alunos, a fim de que eles pudessem construir seus conhecimentos embasados no conhecimento científico. Observamos que, no início da pesquisa, para a grande maioria dos alunos, a “paisagem bonita” relacionava-se com elementos da natureza, ao passo que a "paisagem feia” relacionava-se com outros elementos, geralmente ligados à ação antrópica; e que eles apresentavam dificuldades em perceber as multirrelações existentes na paisagem. No entanto, no decorrer da pesquisa, para a maioria dos alunos, a percepção ambiental da paisagem foi se ampliando, tornando legível e decodificado o espaço em que viviam. Eles apresentaram evolução nas formas de representar a “paisagem vivida”, conseguindo perceber elementos não-percebidos anteriormente.

Palavras-chave: Bairro. Escola. Percepção ambiental. Paisagem. Representação.

Downloads 6326  6326  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site http://www.uem.br
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Dissertações
Fazer Download agora!A degradação das propriedades físicas dos latossolos vermelhos distróficos em decorrência dos difere Popular Versão: 
Atualização:  9/5/2013
Descrição:
MANOSSO, Daniele Crislei Czuy

Nas últimas décadas os processos que degradam a cobertura pedológica têm sido intensificados a partir do desenvolvimento e aplicação de tecnologias agrícolas muitas vezes inadequadas. A falta de conservação e destruição da cobertura vegetal que protege o solo, bem como a aplicação de altas taxas de produtos químicos, favorecem uma maior degradação de suas propriedades físicas. No município de Floraí (PR) esses processos também estão presentes e são favorecidos pelos diferentes usos agrícolas aliados aos tipos de solos existentes, oriundos da alteração do basalto da Formação Serra Geral e do arenito da Formação Caiuá, os quais apresentam características texturais diferenciadas e requerem cuidados especiais. O presente trabalho visa avaliar a degradação das propriedades físicas do latossolo vermelho distrófico, proveniente do arenito, quando submetido a diferentes usos, como soja, café, pastagem e laranja, comparando-o com o mesmo latossolo sob uma área de mata nativa, que apresenta características morfológicas consideradas ideais. Para alcançar tal objetivo, recorreu-se à aplicação do método do Perfil Cultural (Hénin, 1976 in Tavares et al, 1999) e à análises laboratoriais. Constatou-se que o cultivo da laranja é a prática agrícola que mais degrada as propriedades fisicas da cobertura pedológica, seguido pela pastagem, café e soja, respectivamente.


Downloads 4868  4868  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site http://www.uem.br
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Dissertações
Fazer Download agora!A cidade fotográfica: estudo da percepção e expressão do espaço urbano através do olhar fotográfico Popular Versão: 
Atualização:  5/9/2013
Descrição:
MATSUKA, Hideki

Uma das formas de conhecimento do mundo é a que se obtém através de experiências visuais. A partir de uma educação do olhar e; portanto; da compreensão de seus significados; pode-se vir a ter uma percepção enriquecida e criativa da cidade. Esta dissertação é resultado da pesquisa teórico-prática sobre a fotografia e o olhar fotográfico. Neste caso específico; o olhar é voltado para a cidade de São Paulo. O modo de perceber; ver e atribuir significado ao espaço/lugar da cidade é o foco deste trabalho. Os exercícios visuais experimentais fotográficos possibilitaram-nos colocar na prática o aprendizado teórico e analítico desta pesquisa.

Palavras chave: Arquitetura. Urbano. Fotografia. Espaço. Percepção do espaço. Cidade. São Paulo. Lugar.

Downloads 2523  2523  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site 
Avaliação: 9.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


« 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 (16) 17 »