Educadores

Ínicio : Química : Dissertações : 

Produções de Profissionais da Seed: Dissertações (11)


Ordenar por:  Título () Data () Notas () Popularidade ()
Ordenados por: Data (antigos listados primeiro)

Categoria: Química Dissertações
Fazer Download agora!Ambientes de Aprendizagem do Ensino da Química para os Cursos do Cefet-PR Popular Versão: 2002
Atualização:  7/8/2013
Descrição:
REDE, Israel

A partir da preocupação de professores do Cefet-PR com a qualidade de ensino de Química e das barreiras que encontram efetivamente na prática pedagógica, e das angústias e decepções manifestas por alunos desalentados com a distância que supõem existir entre teoria e prática, fica clara a necessidade de transformar antigos laboratórios e salas de aulas tradicionais em ambientes de formação permanente em que se encare o conhecimento como um processo e não como produto, ou seja, como o encadeamento de aprendizagens. Por essas razões, propomos um Ambiente de Aprendizagem em Química, tendo consciência de que a dimensão saber diz respeito às elaborações conceituais necessárias aos aprendentes para compreenderem, a partir do conhecimento científico, as inter-relações do ser humano com outros seres vivos e o meio ambiente histórico-cultural do qual fazem parte. Pois é verdade que o aprendente não “apreende” um sentido já conhecido mas atribui novos sentidos ao conhecimento já “acumulado”. Ë necessário, porém, o estabelecimento de novas relações entre alunos e professores, agora tidos como aprendentes. E para viabilizar esse espaço de aprendizagem não se pode perder de vista a importância do domínio da informação, numa época de constantes transformações e inovações. Por isso, algumas habilidades se destacam: saber acessar, selecionar, aplicar adequadamente as informações necessárias e úteis à vida cotidiana, além de ou, principalmente, compreender as vantagens e benefícios desse mundo de informações que nos chega. Essas habilidades são fundamentais para o cidadão de uma nova era. Em vista disso, o Ambiente de aprendizagem em Química deve estar montado com os tradicionais equipamentos, biblioteca, filmoteca, videoteca, hemeroteca acrescido das modernas tecnologias, como a contribuição da hipermídia. No entanto, esse espaço de formação permanente deve estar a serviço da dinâmica da aprendizagem que deverá facilitar a comunicação entre os aprendentes, sem esquecer a comunidade que integra Cefet-PR e a comunidade externa, sem a qual esse ambiente perde parte de seu sentido.

Palavras-chave: Ambientes de aprendizagem. Aprendentes. Formação de professores. Química.

Downloads 3193  3193  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFSC - Programa de Pós-Graduação em Engenharia d  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Química Dissertações
Fazer Download agora!Ciências na 8ª série: da química disciplinar à química do cidadão Popular Versão: 2008
Atualização:  7/8/2013
Descrição:
MILARÉ, Tathiane

O foco deste trabalho é o Ensino de Ciências da oitava série do Ensino Fundamental, com ênfase nos conteúdos de Química trabalhados. São apresentados os direcionamentos propostos em documentos oficiais nacionais e estaduais de Santa Catarina e de São Paulo para esta série. São destacados, também, os principais pontos de trabalhos desenvolvidos nesta série, em busca de um delineamento das principais tendências da área. Os livros didáticos de Ciências, indicados pelo Programa Nacional do Livro Didático 2005, foram analisados com a finalidade de se levantar os conteúdos químicos indicados para esta fase do ensino. A forma de apresentação destes conteúdos também foi considerada. Em contrapartida, buscou­-se conhecer as características da prática em sala de aula por meio de entrevistas com professores de Ciências de turmas de oitava série de escolas públicas de Florianópolis, SC, e Araraquara, SP. Verificou­-se que as tendências dos documentos oficiais e das pesquisas acadêmicas apontam para a interdisciplinaridade, abordagem temática e formação da cidadania, enquanto que a prática em sala de aula é influenciada pelos livros didáticos e tende a um ensino disciplinar, em que o ano letivo é dividido, principalmente, entre Química e Física. Como uma possível contribuição para amenizar os problemas encontrados neste contexto, foi desenvolvida uma proposta de ensino baseada nos pressupostos da Alfabetização Científica e Tecnológica. Para ilustrar de maneira mais prática a proposta de ensino, considerando as características das regiões das escolas consultadas, foram utilizados três temas: o Leite, o Mar e a Cana-de-açúcar. A proposta de ensino foi avaliada por professores de Ciências através de questionários.

Palavras-chave: Ensino de Ciências. Oitava série. Alfabetização Científica. Proposta de ensino.

Downloads 17473  17473  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFSC - PPGECT  Site http://www.ppgect.ufsc.br/
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Química Dissertações
Fazer Download agora!Compreensões e Significados sobre o Novo Enem entre Profissionais, Autoridades e Escolas Popular Versão: 2012
Atualização:  7/8/2013
Descrição:
MACENO, NICOLE GLOCK. Compreensões e Significados sobre o Novo Enem entre Profissionais, Autoridades e Escolas. Dissertação (mestrado), UFPR, PPGECM, Curitiba, 2012.

Diante da importância que indiscutivelmente tem a avaliação para o alcance dos objetivos formativos da Educação Básica, dos desafios que impõe a terceira Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e dos objetos de estudo do Projeto de pesquisa em rede “Inovações Educacionais e Políticas Publicas de Avaliação e Melhoria da Educação no Brasil” (Iepam) do Programa Observatório da Educação, interessou-nos as “Compreensões e significados sobre o Novo Enem entre Profissionais, Autoridades e Escolas”. Também foi de interesse compreender os aspectos examinados para a disciplina de Química na Matriz de Referencia do Enem de 2009 e as implicações do referido exame para as Escolas de Educação Básica de Curitiba. A pesquisa apresenta abordagem qualitativa e os dados foram produzidos a partir de documentos públicos sobre o Novo Enem, entrevistas com uma representante da Diretoria de Políticas e Programas Educacionais da Secretaria de Estado da Educação do Paraná e com sete professores de Química de cinco Escolas Estaduais de Curitiba, donde cento e cinquenta e três estudantes de terceiro ano do Ensino Médio responderam a um questionário. Para a análise das entrevistas, utilizamos as contribuições da Análise Textual Discursiva. Foi possível compreender e refletir sobre sentidos e entendimentos dos interlocutores considerados sobre o Novo Enem, sobre as concepções de ensino e de avaliação, sobre as implicações do referido exame em redes escolares, os objetivos educacionais em relação ao Ensino Médio e da Educação Química. Também foi possível discutir as potencialidades e limitações da Matriz de Referencia do Enem de 2009 para o Ensino de Química e as abordagens que os professores consideram como inovação para este ensino. Dentre as compreensões alcançadas, foi possível identificar que o Novo Enem e entendido pelas Autoridades como um instrumento que pode estimular o debate sobre as orientações curriculares oficiais, sobre o significado do Ensino Médio e estabelecer uma relação positiva entre este nível de ensino e os exames de seleção das Universidades. Entretanto, diante de concepções tradicionais de ensino e de avaliação, das condições de trabalho de professores, das dificuldades de compreensão deste exame e da subutilização dos dados pelos Profissionais da Secretaria de Estado de Educação do Paraná, o Novo Enem tem sido pouco significativo para a reflexão e a investigação das práticas pedagógicas nas Escolas de Educação Básica consideradas, de modo que as ações engendradas por elas tem sido pontuais e que pouco alteram o trabalho escolar, os Programas de Ensino e de Avaliação.

Palavras-chave: Avaliação. Políticas educacionais. Enem. Educação Química. Exames nacionais. Inovação. Matriz de Referência. Ensino Médio. Interdisciplinaridade. Contextualização.

Downloads 852  852  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFPR-PPGECM  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Química Dissertações
Fazer Download agora!Construindo Estruturas Químicas de Substâncias Desconhecidas Popular Versão: 
Atualização:  7/8/2013
Descrição:
COSTA, Carla Cristina Corrêa da

A motivação para a construção desse trabalho originou-se da percepção de que alunos e alunas pensam que as fórmulas químicas são o objeto de estudo da Química e não as substâncias e os materiais, as quais representam. Pesquisas em educação química têm comprovado que, didaticamente, o nível representacional do conhecimento químico tem sido priorizado nos currículos e em livros didáticos em relação ao nível fenomenológico e teórico. A desproporcionalidade de foco entre os três níveis pode estar fazendo com que os alunos pensem que as fórmulas são reais, sendo elas o objeto de estudo da Química e não uma linguagem desta. Verifica-se também que esse conteúdo não vem sendo vinculado a temas sociais, desconsiderando o contexto em que o aluno está inserido. Assim, dedicamos esse trabalho ao estudo das fórmulas químicas no ensino básico. A dissertação começa situando o ensino médio e o ensino de ciências no atual contexto educacional, focando como perspectiva principal, para esse ensino, o auxílio à formação da cidadania. Buscamos valorizar a reflexão da prática e da pesquisa docente como meio de trilhar possibilidades para se atingir esse objetivo. Em meio a diferentes possibilidades, escolhemos fazer uma abordagem do tema de forma diferenciada das tradicionalmente evidenciadas no contexto escolar. Para dar mais sentido a esta pesquisa, propusemos realizar uma transposição didática de um conhecimento científico ainda pouco explorado como conhecimento escolar no ensino médio: A elucidação estrutural por análises físicas e químicas de substâncias orgânicas. O material paradidático proposto conta a história de um aluno do ensino médio que necessita tomar uma decisão frente a uma situação do seu cotidiano. Ele achou um produto de origem desconhecida cujo rótulo indicava se tratar de um suplemento alimentar. A aquisição de conhecimentos químicos, relativos à elucidação da fórmula molecular e estrutural por análises físicas, químicas e espectrométricas (massa, infravermelho e ressonância magnética nuclear) das substâncias que compõe o produto encontrado, e a consequente descoberta da sua constituição fizeram toda a diferença na hora de decidir se ele consumia ou não o produto. O material paradidático, como um todo, procura propiciar a contextualização do conteúdo químico com o cotidiano do aluno; faz uso da história da ciência e da interdisciplinaridade como recursos didáticos, sendo desenvolvido por meio de um tema químico social.

Palavras-chaves: Fórmulas químicas. Transposição Didática. Cidadania.

Downloads 986  986  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UnB  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Química Dissertações
Fazer Download agora!Contextualização no ensino de química: ideias e proposições de um grupo de professores Popular Versão: 2007
Atualização:  7/8/2013
Descrição:
SILVA, Erivanildo Lopes da. Contextualização no ensino de química: ideias e proposições de um grupo de professores. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Depto. Química Fundamental. São Paulo, 2007.

Esta pesquisa teve o objetivo investigar as ideias e proposições de um grupo de professores a respeito da contextualização no ensino de química. Especificamente, procuramos conhecer que significados atribuem ao se referirem a práticas de ensino nas quais os conteúdos são socialmente contextualizados, como refletem sobre essa temática frente a novos conhecimentos e como tais reflexões se manifestam nos materiais instrucionais por eles elaborados.Tais ideias foram investigadas a partir de um curso de formação continuada, que procurou promover discussões e reflexões sobre a temática da pesquisa e a construção de materiais instrucionais pelos próprios professores (unidades didáticas). Foram discutidas e analisadas quatro perspectivas de contextualização no ensino, baseadas nos trabalhos de M. Lutfi, D. Auler e G. Aikenhead. Os materiais instrucionais foram analisados de modo a verificar quais concepções sobre a contextualização se refletiram nas unidades didáticas elaboradas pelos professores. A investigação foi realizada por meio de questionários abertos, atividades, relatos de professores gravados em áudio e vídeo, análise de documentos e entrevistas semiestruturadas. Os resultados desta pesquisa mostraram uma ampliação das concepções dos professores, que caracterizavam, inicialmente, o ensino de Química contextualizado como simples exemplificação e descrição de fatos ou situações do cotidiano com o intuito de ensinar química e passaram a compreender ideias de contextualização como a abordagem de questões sociais, com vistas a desenvolver atitudes e valores e à transformação da realidade social. Os dados também mostraram que as unidades didáticas foram elaboradas com diferentes perspectivas, que nem sempre refletiam as ideias dos professores. Três grupos foram observados: as unidades didáticas que refletiam as idéias manifestadas pelos professores que ampliaram seus entendimentos, as que representavam ideias de contextualização menos elaboradas do que as manifestadas pelo professor e aquelas unidades que refletiam ideias tão simplistas quanto as manifestadas inicialmente. O nível pouco elaborado de contextualização foi justificado pelo o número elevado de aulas que os professores ministram, o que os impossibilita de preparar materiais com esse perfil e a dificuldade de realizarem aulas dialogadas. Levantamos também, a questão da falta de entendimento, por parte de alguns professores, de como desenvolver materiais instrucionais com enfoque na contextualização social dos conteúdos. Percebemos dois fatores subjacentes às suas justificativas um de cunho epistemológico, que diz respeito à formação tradicional do professor fundada no conhecimento específico da Química, e outro de natureza prático-profissional, que diz respeito ao seu preparo pessoal e de suas aulas, o que exigiria maior demanda de trabalho, de maneira a resguardar o papel de professor como soberano absoluto da sala de aula.

Downloads 2289  2289  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma USP  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Química Dissertações
Fazer Download agora!Comparação crítica de livros didáticos de Termodinâmica Popular Versão: 
Atualização:  7/8/2013
Descrição:
NERY, Alessandro Ranulfo Lima

A termodinâmica clássica é utilizada, por muitos professores e autores, exclusivamente como um instrumento para a solução de problemas. Por isto, não costuma ser feita uma discussão aprofundada sobre seus conceitos, sobre suas equações matemáticas, ou sobre a limitação teórica da termodinâmica. Este trabalho é realizado dentro deste contexto. O intuito do trabalho é o de analisar e comparar livros didáticos de termodinâmica clássica, na definição dos conceitos e no tratamento matemático utilizado. Verificar se existe uma única termodinâmica clássica, ou se as ideias mais fundamentais apresentadas dependem fortemente do enfoque do autor, ou do que este quer mostrar.

Palavras-chave: Entropia. Termodinâmica. Livro didático. Equilíbrio.

Downloads 4882  4882  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Unicamp  Site http://
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Química Dissertações
Fazer Download agora!Estrutura da Matéria e Tabela Periódica no Ensino de Ciências para a 8a série – Caminhos Alternativo Popular Versão: 2006
Atualização:  7/8/2013
Descrição:
TASCA, Rodolfo Aureo. Estrutura da matéria e tabela periódica no ensino de ciências para a 8ª série - Caminhos alternativos no ensino de química. Dissertação de Mestrado. Unicamp, Instituto de Química. Campinas, SP, 2006.

O estudo da Estrutura da Matéria e Tabela Periódica foi aplicado na antiga oitava série do ensino fundamental, hoje nona série. Este trabalho almeja que a introdução desses conceitos seja de maneira natural, sem criar expectativas ou hostilidades sobre o assunto. Sabe-se que a abstração é um fator fundamental no estudo da estrutura da matéria, e o uso de modelos adequados faz com que a introdução desses conceitos seja mais palatável. Durante os primeiros 4 meses do ano letivo de 2002, duas salas de 35 alunos, da Escola Municipal de Ensino Fundamental Maria Pavanatti Fávaro, situada no município de Campinas, foi o local escolhido para a aplicação do trabalho. As atividades aplicadas envolveram trabalhos com modelos mecânicos, interpretação e criação de modelos para o átomo, familiarização com a Tabela Periódica e jogos educativos que auxiliaram a memorização de algumas ferramentas fundamentais no ensino de química. As atividades serviram como instrumentos para a introdução dos fundamentos no estudo da estrutura da matéria e tabela periódica. Sem aprofundar nos conceitos, deu-se ênfase aos aspectos mais importantes que serão estudados no Ensino Médio, como: conhecimento sobre o átomo e suas partículas fundamentais (prótons, nêutrons e elétrons), simbologia e representação (linguagem química), formação e formulação de alguns compostos (ex: água, amônia, metano, gás carbônico, etc.), leitura e utilização da Tabela Periódica em seus aspectos mais simples. As atividades mostraram que é possível tornar o ensino da estrutura da matéria mais palatável e sem traumas, sendo o livro didático, apenas um dos instrumentos para o aluno e para o professor. Experimentos simples; usando-se argila, feijões, grãos de bico, bolinhas de gude, jogos de bingo e de cartas, mostraram-se facilitadores para o entendimento dos conceitos, de modo que, ao mesmo tempo em que o estudante está “brincando”, ele também está fortalecendo seu aprendizado.

Palavras-chaves: Educação. Modelos. Átomos. Jogos.

Downloads 5312  5312  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Unicamp  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Química Dissertações
Fazer Download agora!Ligações Hidrogênio no Cotidiano – uma contribuição para o ensino de química Popular Versão: 2008
Atualização:  7/8/2013
Descrição:
REIS, Adriano de Souza

O enfoque deste trabalho é o ensino de química, abordando situações cotidianas de pessoas comuns, visando a interpretação destas situações do ponto de vista químico. O principal objetivo é a elaboração de um material que seja útil para graduandos e professores, particularmente os professores de química que atuam no nível médio e superior. As ligações hidrogênio e suas propriedades compõem a maior parte da discussão deste texto. Vários contextos são utilizados, tais como, química ácido-base, capilaridade, formação do DNA e mutações genéticas, água líquida e sua contribuição em diversos fenômenos, química da sensação dos sabores doce e amargo, além de outras situações corriqueiras. As situações abordadas não são utilizadas como objetos de estudo, mas como forma de discutir alguns aspectos, propriedades e características das ligações hidrogênio. Além disso, o texto discute a melhor forma de entender ligação hidrogênio em diferentes níveis. A sequência do texto coloca, gradualmente, as principais propriedades das ligações hidrogênio em diferentes contextos. Inicialmente o modelo puramente eletrostático é utilizado para explicar algumas situações interessantes. Em seguida, o modelo puramente eletrostático tradicional é questionado e observa-se que ele não é conveniente para explicar todos os fenômenos, sendo então questionado e repensado ao longo do texto. Novos argumentos são usados para explicar a ligação hidrogênio, agora usando o conceito de modelo eletrostático com uma componente covalente. Essa contribuição torna o modelo mais complexo que o anterior e inclui outras ideias além dos “pontinhos” (X – H X), normalmente usados para representar a contribuição puramente eletrostática desta interação. Muitas propriedades das ligações hidrogênio são apresentadas e discutidas ao longo do texto, utilizando este novo conceito.

Downloads 18447  18447  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Unicamp  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Química Dissertações
Fazer Download agora!Educação, trabalho e dimensões social e escolar da drogadição: um estudo sobre políticas públicas an Popular Versão: 
Atualização:  8/8/2013
Descrição:
LINHARES, Sólon Cícero

O trabalho aponta para uma ampla discussão crítica acerca da drogadição e suas decorrentes modificações dentro do modo capitalista de produção. Os instrumentos estatais de políticas públicas de enfrentamento das drogas como a repressão e a prevenção, também são abordados, mormente os resultados obtidos. O estudo trata ainda, em especial, do Proerd, como Programa Educacional de Resistência à Violência e às Drogas, seus acertos e desacertos. Por fim, deixa claro que o cerne da problemática das drogas, é a mercantilização das condições de existência e que os programas de repressão e prevenção, por mais eficazes que sejam, levam em conta apenas os efeitos da problemática, desconsiderando a causa, que é sistêmica.

Palavras-chave: Proerd. Drogadição. Capitalismo.

Downloads 2372  2372  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Universidade Federal do Paraná  Site http://
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Química Dissertações
Fazer Download agora!Metáforas-Andaime: As analogias como recurso argumentativo no Ensino de Química Popular Versão: 2007
Atualização:  8/8/2013
Descrição:
ROCHA, Aldeir Antônio Neto

Com o olhar atravessado pelas teorias de enunciação e linguagem propostas por Bakhtin, pela dialogicidade de Paulo Freire, e, especialmente, pela teoria da argumentação de Chaïm Perelman o Olbrechts-Tyteca, este trabalho buscou discutir elementos para uma prática dialógica no Ensino de Química. O objeto principal da investigação foi a utilização de analogias como recurso argumentativo e ferramenta para o processo de aprendizagem-ensino de Química, em salas de aula do Ensino Médio. Diversos aspectos permearam a discussão, dentro os quais, destaquei: o papel da linguagem dentro da sala de aula; a importância das condições prévias dos alunos; a construção do conhecimento científico, a importância do auditório na construção dos discursos, a significação e importância do meio social e cultural no desenvolvimento do conhecimento científico e na formação dos estudantes, e, como foco central, o potencial do uso de analogias como ferramenta para o estudo Química. Com a análise de algumas coleções de livros didáticos de Química, busquei perceber a frequência e a natureza das analogias utilizadas pelos autores. Outro procedimento foram entrevistas com professores a respeito da maneira como trabalham tais recursos argumentativos.

Palavras-chave: Ensino de Química. Argumentação. Analogia.

Downloads 1524  1524  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFJF – Programa de Pós-Graduação em Educação  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


« 1 2 (3) 4 5 6 »