Educadores

Ínicio : Geografia : Cartografia : 



Ordenar por:  Título () Data () Notas () Popularidade ()
Ordenados por: Notas (Do pior para o melhor avaliado)

Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!Mapas táteis sonoros como facilitadores na inclusão de invisuais em trilhas ecológicas Popular Versão: 
Atualização:  9/5/2013
Descrição:
GOLIN, Geisa; NOGUEIRA, Ruth Emilia; CUSTÓDIO, Gabriela A.

Conhecer e interagir com o meio ambiente em unidades de conservação, em trilhas pela mata, ou outros ecossistemas são opções do homem urbano para experimentar o que ele não tem oportunidade de acessar senão pelas experiências descritas nos meios de comunicação ou em livros didáticos. Observamos que a pessoa com deficiência visual, devido à inexistência de facilitadores que possibilitem sua interação com o meio ambiente, fica à margem de tais experiências. Então como se pode permitir que uma pessoa com cegueira ou severa restrição visual possa ter oportunidade de ser de fato incluída naquilo que ela ouve falar ou lê nos meios de comunicação falada? Um projeto de extensão desenvolvido no ano de 2008 em parceria estabelecida entre o Laboratório de Cartografia Tátil e Escolar da UFSC (estudantes e professores de Geografia e Design), um grupo de estudantes de Engenharia e Biologia e uma empresa de desenvolvimento (Projeto Sapiens) vêm encarando o desafio de criar uma trilha ecológica acessível para cadeirantes e pessoas com deficiência visual. O grupo é formado por 10 acadêmicos mais cinco pessoas invisuais voluntárias que frequentam a Associação Catarinense para a Integração do Cego. A trilha ecológica em foco está situada na porção norte, em ambiente úmido na Ilha de Santa Catarina, distante aproximadamente 35 km do centro de Florianópolis, em um parque denominado Sapiens Parque. Essa trilha foi implantada ao longo do rio do Brás, com extensão de uns 1200 metros e tem o formato oval, ou seja, começa e termina no mesmo lugar. O projeto foi pensado para ser estruturado a partir de mapas táteis sonoros, sobre o meio ambiente onde está localizada a trilha. Pensamos em educação ambiental tanto de invisuais (inclusão social e educacional) quanto de visuais. Os mapas socializam a informação; são dispositivos de acesso à informação espacial sobre o meio ambiente, proporcionando acesso à localização e ao conhecimento dos diferentes ambientes naturais, trazendo possibilidades de leituras abrangente ou mais detalhada do ambiente a ser conhecido, despertando novos “olhares” e descobertas ao invisual e também aqueles que enxergam. Com o auxílio de uma mesa digital do tipo touch, que responde a estímulos táteis em toda a sua superfície, foram posicionados mapas táteis criados especificamente para esse projeto. Os mapas trazem botões distribuídos em pontos estratégicos, possibilitando que ao serem tocados, instantaneamente se ouça uma informação sonora sobre aquele lugar, ou, se for tocado mais de uma vez se pode acessar mais informações. Os invisuais foram ensinados a ler os mapas com as mãos apertando pontos de interesse para acessar a informação sonora que é disponibilizada pelo banco de dados do computador. Eles foram críticos e orientadores de como seriam os mapas para mais fácil leitura. Os primeiros resultados do projeto mostram o quanto é importante a integração de pessoas com diferentes conhecimentos para desenvolver um dispositivo moderno de fácil acesso aos invisuais para que eles também possam acessar conhecimentos espaciais do meio ambiente. A utilização de mapas táteis com a mesa digital touch proporciona a utilização dos sentidos do tato e da audição facilitando a compreensão do meio ambiente pelo usuário invisual e desperta o interesse daqueles que enxergam. Os mapas táteis mais uma vez se mostram fortes dispositivos auxiliares na inclusão social e educacional. A assimilação das informações pelos invisuais antes e depois de “fazerem a trilha” foi descrita por eles como “muito importante para adquirirem conhecimentos”. Eles consideraram que o contato prévio com os mapas e com as informações acessadas sobre o meio ambiente proporciona conhecimentos que auxiliaram na sua localização no espaço e permitem uma melhor interação com o meio ambiente ao percorrerem a trilha.

Palavras chaves: Educação ambiental. Mapas táteis sonoros. Inclusão social e educacional.

Downloads 2781  2781  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFSC  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!O uso de tecnologia no ensino de Geografia: Experiência na formação de professores Popular Versão: 
Atualização:  30/4/2012
Descrição:
CAVALCANTE, Maria M. de A.; BIESEK, Ana S.

As inovações tecnológicas têm avançado em todas as áreas do conhecimento. Na Geografia destacam-se os sistemas de informação e processamento de dados, os quais exigem níveis de conhecimentos cada vez mais desenvolvidos na prática da formação profissional e, consequentemente, no cotidiano escolar enquanto componente pedagógico e técnico. Sobre este aspecto, trata-se neste artigo da experiência praticada no Curso de Geografia na Universidade Federal de Rondônia – UNIR, por meio de um Curso de Extensão em Cartografia Temática, no qual propunha relacionar a teoria, método e processo empírico, a partir da interpretação da realidade social local, por meio de questões norteadoras, tais como: dinâmicas populacionais, urbanização, atividades econômicas e produtivas. O curso de Extensão buscou oferecer instrumental capaz de fortalecer e aprimorar a capacidade acadêmica e profissional dos futuros professores no cumprimento de um melhor desempenho e qualidade em suas atividades, a partir do acesso ao conhecimento de referenciais metodológicos e práticos que instrumentalize sua atuação pedagógica de modo a intervir na realidade educacional local. O interesse na execução do curso de Cartografia Temática e as estratégias metodológicas adotadas justificam-se em função dos trabalhos com pesquisa acadêmica desenvolvidos no âmbito do Laboratório de Geografia e Planejamento Ambiental – LABOGEOPA, em que o uso de geotecnologia é recorrente; e em função de uma expressa lacuna no curso de Licenciatura em Geografia, quanto à efetivação dessa ferramenta na formação de professores, este fato foi o que motivou a elaboração e a concretização de tal experiência. Desse modo, as atividades foram desenvolvidas no LABOGEOPA, envolvendo professores, discentes e colaboradores de pesquisa. Essa atividade foi conduzida como experimento para que se possa avaliar e propor uma periodicidade desta atividade na instituição, ou quem sabe um projeto maior que contemple o envolvimento dos profissionais (capacitação dos professores) da rede pública (Estadual e Municipal).

Palavras-chave: Sistemas de informação geográfica. Geografia. Cartografia. Processamento de dados. Geotecnologia.

Downloads 622  622  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFPR  Site 
Avaliação: 5.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!A Cartografia digital como ferramenta para a Cartografia histórica Popular Versão: 
Atualização:  9/5/2013
Descrição:
CINTRA, Jorge Pimentel

O trabalho apresenta, por meio de exemplos concretos, o auxílio que a Cartografia digital presta à Cartografia histórica. Para isso, apresenta uma sequência de atividades com vistas a avaliar e a trabalhar com mapas históricos no meio digital: escolha de um programa que possua os recursos adequados para realizar os estudos pretendidos; obtenção de cópia do mapa em meio digital, estudo dos dados técnicos do mapa para o registro do mesmo: escala, tipo de projeção cartográfica, coordenadas que utiliza, meridiano de origem. Apresentam-se diversas potencialidades que esse tipo de programa propicia, com base em casos reais. Por exemplo, o estudo da precisão de uma carta ou mapa antigo, tarefa na qual se deve contar com um mapa de referência de melhor precisão para extrair coordenadas de pontos homólogos em ambas as fontes, criando tabelas e exportando-as para uma planilha eletrônica, que permite calcular parâmetros estatísticos como média, desvio padrão, curtose e assimetria, e realizar os testes básicos de detecção de erros grosseiros, verificação de tendência e cálculo da precisão. Outra possibilidade é a localização exata de monumentos, edifícios e ruas não mais existentes (exemplificado para a cidade de São Paulo). Para isso deve-se fazer, numa mesma seção de trabalho, o registro conjunto do mapa antigo da cidade com um mapa atual, e utilizar os recursos de transparência, isto é, colocar um sobre o outro, mantendo uma porcentagem de transparência para que se veja o fundo. O registro exige a identificação de pontos comuns, que na prática consiste em identificar pontos do mapa antigo que continuam a existir, como cantos de edifícios históricos, cruzamentos de ruas que não sofreram alargamento, etc. Essa aplicação para cidades pode ser estendida a outro tipo de cartografia: mapas históricos de maneira geral. A introdução do elemento quantitativo no dado histórico permite ilustrar e definir melhor o aspecto qualitativo, ou seja, precisar e matizar as informações. Em suma, o trabalho mostra como aproveitar o novo em proveito do antigo, a técnica em benefício da história.

Palavras-chave: Cartografia digital. Cartografia histórica. Cidade de São Paulo. Mapas.

Downloads 1286  1286  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma USP  Site 
Avaliação: 9.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!A cartografia no ensino-aprendizagem da Geografia Popular Versão: 
Atualização:  30/4/2012
Descrição:
FRANCISCHETT, Mafalda Nesi

Pensar e compreender o real através das ações é essencial para a leitura e entendimento do mundo real. A observação, a percepção, a análise conceitual e a síntese através das representações cartográficas possibilitam pensar significativamente o conhecimento do espaço geográfico. É possível perceber que o estudo da linguagem cartográfica vem, cada vez mais, reafirmando sua importância desde o início da escolaridade. O estudo das representações cartográficas contribui não apenas para que os alunos compreendam os mapas, mas também desenvolvam capacidades relativas à representação do espaço. Os alunos precisam ser preparados para que construam conhecimentos fundamentais sobre essa linguagem, como pessoas que representam, codificam o espaço e com leitores, das informações expressas. A maquete geográfica é uma representação cartográfica tridimensional do espaço, representa as categorias longitude, latitude e a altitude. A representação tridimensional do espaço adquire importância fundamental quando se pensa em aplicações em projetos (inter)disciplinares voltados às questões ambientais ou em simulações. O objetivo da maquete geográfica, enquanto representação cartográfica, é produzir e transmitir informações e não ser, simplesmente, objeto de reprodução. O tema de fundo deste artigo é o ensino de Geografia que se constitui em preocupação recorrente para os que trabalham com a formação de professores e que vão, em diferentes lugares e ritmos, construindo um saber necessário, pautado nos debates das ideias já consagradas e em novas proposições.

Palavras-chave: Representações cartográficas. Maquetes. Ensino. Aprendizagem. Espaço geográfico.

Downloads 1009  1009  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site http://
Avaliação: 9.00 (11 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!A Cartografia e a Inclusão de Pessoas com Deficiência Visual na Sala de Aula: construção e uso de ma Popular Versão: 
Atualização:  30/4/2012
Descrição:
CARMO, Waldirene R. do; SENA, Carla C.R. Gimenes de

A cartografia tátil vem sendo pesquisada no Laboratório de Ensino e Material Didático de Geografia (LEMADI) do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo há 20 anos, o que permitiu a criação de uma equipe interdisciplinar e internacional que desenvolve e avalia representações gráficas táteis adaptadas para o ensino de Geografia para pessoas com deficiência visual. A visão, como sentido unificador de toda a atividade sensorial, contribui predominantemente para a informação e formação dos indivíduos, o que ocasiona sérias desvantagens para as pessoas com deficiência visual. Contudo, o grau desta desvantagem pode ser contínua e consideravelmente atenuado se, na educação, na reabilitação e na formação profissional, forem aplicadas técnicas adequadas, se forem convenientemente explorados e implementados os recursos didáticos e tecnológicos apropriados e se forem adotadas medidas sociais justas para compensação da deficiência. Um dos grandes desafios com relação à deficiência é a busca das melhores estratégias para que crianças, jovens e adultos aprendam as diferentes matérias dentro de sua formação educacional para facilitar e apoiar sua posterior inserção na sociedade. O estudo da simbologia em diferentes escalas e temáticas tem facilitado o ensino de Geografia tanto para alunos com deficiência visual como os alunos com deficiência auditiva ou mesmo aqueles que não apresentam nenhuma deficiência, mas tem no material uma oportunidade de experimentar o lúdico no processo de aprendizagem. Este trabalho foi iniciado pela pesquisa de doutorado da Professora Regina Araujo de Almeida, pioneira no estudo da cartografia tátil no Brasil, desde 1989 foram construídos mapas, gráficos e ilustrações em relevo para trabalhar conceitos relacionados à Amazônia, e ao Estado de São Paulo, além dos conceitos básicos de cartografia como escala, orientação, ponto de vista e localização. Paralelamente à construção dos materiais, a participação dos pesquisadores do laboratório em projetos internacionais (com apoio do IPGH -Instituto Panamericano de Geografia e História e OEA -Organização de Estados Americanos) oportunizou a realização de uma série de cursos sobre a cartografia tátil, a construção e o uso de representações gráficas táteis para professores de Geografia que tem alunos com deficiência visual na sala de aula, professores especializados em educação especial, mas que precisam de uma base de cartografia e geografia para poder adaptar os materiais com melhor qualidade e também pais que querem ajudar seus filhos a aproveitarem melhor os mapas e gráficos táteis e assim ampliar o aprendizado. O objetivo desse trabalho é apresentar um panorama das pesquisas realizadas no laboratório, com destaque para a adequação das técnicas de construção das representações gráficas táteis desenvolvidas, para o trabalho com professores de escolas públicas e particulares que tem alunos com deficiência visual em sala de aula; bem como a difusão da cartografia tátil e o seu papel na inclusão. O LEMADI é uma referência, não só por suas linhas de investigação, mas também por seu acervo, composto por dezenas de mapas, gráficos, ilustrações, maquetes e esquemas adaptados para pessoas com deficiência visual. Esse acervo é consultado por estudantes do ensino Fundamental, Médio e Superior, professores da rede pública e privada de ensino, pais, profissionais especializados e pessoas com deficiência visual.

Palavras-chave: Cartografia. Cartografia tátil. Construção de materiais. Ensino. Deficiência visual. Inclusão.

Downloads 9351  9351  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma USP  Site 
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!Atlas do Paraná - O uso de novas tecnologias Popular Versão: 
Atualização:  5/9/2013
Descrição:

O Atlas do Paraná - O uso de novas tecnologias - é fruto do trabalho desenvolvido pelo professor Clóvis do Espírito Santo Júnior, com a colaboração de alguns professores PDE, colegas seus, durante seus estudos no Programa de Desenvolvimento Educacional - Seed -PR. O Atlas mostra o uso de novas tecnologias aplicadas ao ensino de Geografia com ênfase nos aspectos geográficos do estado do Paraná, colaborando para que professores, alunos e todas as pessoas que acessem esse instrumento disponham de informações cartográficas com apoio de textos explicativos.

Palavras-chave: Geografia. Localização. Atlas. PDE. Cidade. Mapas. Pontos turísticos. Paraná. Novas tecnologias. ArcView.

Downloads 15584  15584  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFPR  Site 
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!A Cartografia digital e sua aplicação na análise espacial da violência na cidade: o exemplo de Rio C Popular Versão: 
Atualização:  30/4/2012
Descrição:
LOMBARDO, Magda Adelaide; ANTONELLO, Sérgio Luís; MAGALHÃES, Mônica G. M.;OLIVETTI, Gerson da Silva; ROSSETTI, Lucimari Ap. F.G.

O objetivo do trabalho é construir um sistema de banco de dados contendo registros de ocorrências relativas à Segurança Pública associados à planta cadastral de Rio Claro, utilizando-se do ArcGIS 8.2 e Autodesk MAP 5. Este sistema permite a identificação dos principais focos de violência da cidade de Rio Claro, integrando e espacializando os dados de maneira digital, o que poderá subsidiar a política pública local no combate à violência e possibilitar uma atuação preventiva e eficaz.

Palavras-chave: Cartografia digital. Violência. Rio Claro. Políticas públicas.

Downloads 3745  3745  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site 
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!Experiência na aplicação da Cartografia tátil no ensino de Geografia Popular Versão: 
Atualização:  5/9/2013
Descrição:
SENA, Carla Cristina Reinaldo Gimenes de

Ver, escutar, cheirar, degustar e tocar. Todos esses sentidos são os meios que utilizamos para receber as informações do entorno. Essas informações são fundamentais para o nosso desenvolvimento e também para nos comunicarmos. A pessoa com deficiência visual tem diminuída ou mesmo comprometida a capacidade de decodificar informações que estão sintetizadas em imagens, necessitando de uma adaptação dessa informação para a sua compreensão parcial ou total. Quando isso ocorre, os demais sentidos, principalmente a audição e o tato, se forem estimulados de maneira correta, podem auxiliar e até substituir a visão no processo de percepção e interação com o meio. A estimulação deve levar em consideração que as pessoas, independente de apresentarem uma deficiência, não constróem seu esquema corporal sozinhas, elas necessitam da relação com outras pessoas e com o meio. A pessoa que não constrói satisfatoriamente seu esquema corporal terá dificuldade de reconhecer o espaço ao seu redor, prejudicando sua mobilidade e, por consequência, sua autonomia. Juntamente com a estimulação correta dos demais sentidos é fundamental a adaptação ou modificação da forma como a informação é disponibilizada a esse público. Este trabalho relata a experiência na seleção e adaptação de mapas e ilustrações para a linguagem tátil com o objetivo de auxiliar o ensino sobre alguns aspectos da cidade de São Paulo, com destaque para o seu crescimento urbano para estudantes com deficiência visual. Elaborou-se uma sequência de mapas que representam a área urbana de São Paulo em cinco épocas distintas. Foi construída uma maquete que representa a cidade na primeira metade do século XIX, a maquete contém alguns sensores de toque que permitiram a inserção de sons com informações sobre patrimônios históricos da região central da cidade. O objetivo desses materiais é proporcionar a compreensão de um recorte histórico geográfico sobre São Paulo, auxiliando o estudante com deficiência visual a avançar do nível da identificação e localização para a interpretação, análise e síntese dos assuntos estudados. Para ilustrar parte do processo histórico ocorrido optou-se por trabalhar, além da maquete e dos mapas, com ilustrações das fachadas de alguns edifícios históricos do centro, que também sofreram alterações, algumas bem radicais – como é o caso da igreja da Sé, demolida para dar lugar à atual catedral, por exemplo. O desenvolvimento do trabalho mostrou que quando os estudantes com deficiência visual têm a oportunidade de participar ativamente de um processo de aprendizagem que estimula sua percepção tátil, respeita sua vivência e trabalha com as noções básicas do mapa (escala, ponto de vista, orientação, localização e simbologia) podem alcançar níveis satisfatórios de compreensão das representações gráficas. Nesse sentido, é possível que a associação de mapas táteis com outros recursos didáticos como maquetes sonoras e ilustrações facilite o processo de aprendizagem de um tema especifico para estudantes com deficiência visual, desencadeando uma discussão mais ampla e reflexiva sobre o que está sendo estudado.

Palavras chave: Cartografia tátil. Deficiência visual. Ensino de Geografia. Inclusão. Mapas táteis. Maquete sonora.

Downloads 3417  3417  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site 
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


« 1 2 3 (4)