Educadores

Ínicio : Filosofia : Artigos : 



Ordenar por:  Título () Data () Notas () Popularidade ()
Ordenados por: Popularidade (Do mais para o menos procurado)

Categoria: Filosofia Artigos
Fazer Download agora!Teoria crítica e barbárie. O futuro da sociedade administrada Popular Versão: PDF
Atualização:  26/4/2013
Descrição:
MAGALHÃES, Fernando

No final do século XVIII, Jeremy Bentham, na sua célebre obra O pan-óptico, propõe um sistema de vigilância para as casas de correção que poderia ser estendido a qualquer estabelecimento (instituições, em geral) sem exceção. Se levarmos em consideração a denúncia do filósofo Iztvan Mészáros de que a Microsoft dispõe de mecanismos para controlar todo e qualquer programa através de um dispositivo de acesso a partir da própria empresa, chegamos à conclusão de que a proposta de Bentham, também projetada criticamente por Orwell na primeira metade do século XX, instalou-se entre nós. Câmeras vigiam nossos movimentos, seguem nossos passos, vigiam nossa intimidade – até mesmo no isolamento dos caixas eletrônicos. Essa sociedade controlada, no entanto, não se resume apenas aos aspectos visíveis desse controle. A administração da vida e das coisas, na sociedade capitalista tardia, exerce um controle sobre os indivíduos a partir de uma categoria filosófica muito cara aos intelectuais do Ocidente: o Iluminismo (ou Esclarecimento). A ideia de que o conhecimento e, portanto, a ciência, libertariam o homem das trevas da ignorância e da superstição sempre foi uma crença de filósofos e sociólogos ocidentais. Contudo, essa ciência, e mais precisamente a sua forma avançada – a tecnologia – transformou o projeto emancipador em nova prisão, onde um controle invisível – tanto político quanto econômico (veja-se, por exemplo, a ideologia e o mercado) – acabou por transformar a civilização em barbárie. O objetivo deste trabalho é promover uma análise da presente situação, utilizando o instrumental oferecido pela Teoria Crítica – que faz uma investigação dessa sociedade totalmente administrada – e apontar as vantagens e os limites de uma sociedade em que a “administração” generalizou-se para todo o planeta, com a globalização, inclusive estendendo seus tentáculos para regiões periféricas de forma perversa.

Palavras-chave: Barbárie. Teoria Crítica. Sociedade administrada. Práxis. Esclarecimento.

Downloads 731  731  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista Filosofia Unisinos  Site http://www.unisinos.br/publicacoes_cientificas/filosofia/index.php?option=com_content&task=view&id=7
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Filosofia Artigos
Fazer Download agora!Modelo de cidadania e modelo de educação: a paídeia idealizada pelos filósofos Popular Versão: 
Atualização:  26/4/2013
Descrição:
CODEÇO, Vanessa Ferreira de Sá

Propomo-nos, neste artigo, analisar a correspondência existente entre os modelos de paideía e cidadania na Atenas do período Clássico (séculos V e IV a.C1). Utilizaremos como documentação textual as obras a Política, de Aristóteles, e as Leis e República, de Platão.

Palavras-chave: Paideía. Educação. Cidadania.

Downloads 719  719  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFRJ  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Filosofia Artigos
Fazer Download agora!Do bem comum da visão platônico-aristotélica à lógica hobbesiana do Contrato Social Popular Versão: PDF
Atualização:  5/12/2013
Descrição:
ROSA, Luiz Carlos Mariano da

Resumo: Detendo-se na investigação dos dois grandes modelos que caracterizam o pensamento político, a saber, o modelo clássico (grego ou aristotélico) e o modelo jusnaturalista (hobbesiano), o artigo em questão, distinguindo no âmbito daquele as teorias idealistas e realistas, empreende uma abordagem que nas fronteiras deste último sublinha desde a questão que envolve “Como nasceu o Estado?”, proposta pela perspectiva historicista (paradigma aristotélico), que traz como fundamento o homem como “animal político”, até a leitura racionalista (parâmetro hobbesiano), que acena com o problema “Por que existe o Estado?”, identificando o homem como um ser naturalmente antissocial, salientando que se o bem comum determina a visão platônico-aristotélica, a leitura hobbesiana instaura uma lógica que emerge através do contrato social e assinala a tendência natural da autopreservação como fundamento da ação humana, consistindo, em suma, na transição da ordem mecânica da matéria à ordem final da vontade.

Palavras-chaves: Modelo aristotélico. Bem comum. Modelo jusnaturalista. Estado de natureza. Direito natural.

Downloads 718  718  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista Opinião Filosófica  Site http://www.abavaresco.com.br/revista/index.php/opiniaofilosofica/article/view/165
Avaliação: 10.00 (3 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Filosofia Artigos
Fazer Download agora!Adorno e Fetichização da Música  Popular Versão: 
Atualização:  26/8/2013
Descrição:
SOUSA, J Francisco Saraiva de

A maior parte da música contemporânea exibe características de um "bem de consumo", dominado mais pelo valor de troca do que pelo valor de uso. A dicotomia real não é entre "música séria" e "música ligeira", mas entre "música comercial" e "música não orientada para o mercado". Um dos resultados desta mercadorização da música e da sua massificação é a desintegração actual da educação: os consumidores da arte são incapazes de considerar e de conhecer a distinção entre a "arte superior autónoma" e a "arte comercial ligeira".

Palavras Chaves: Mídia. Apropriação. Educação. Adorno. Fetiche.

Downloads 718  718  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma www.casadamusica.com  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Filosofia Artigos
Fazer Download agora!O método dialético e a análise do real Popular Versão: PDF
Atualização:  28/6/2013
Descrição:
ZAGO, Luis Henrique

Ao evidenciar que as relações estabelecidas por homens e mulheres com o meio concreto engendram o real, a dialética torna exequível a revolução do status quo por possibilitar a compreensão de que o mundo é sempre resultado da práxis humana, seja ela marcada por relações de dominação que reificam e fetichizam a prática social, seja marcada por relações que operam a humanização dos homens e mulheres. Ao romper com os fetiches, ou seja, ao perceber que os objetos não devem sujeitá-los, homens e mulheres avançam de encontro à reificação, alçando-se a possibilidade de revolucionar suas condições de existência. Assim, o rompimento da pseudoconcreticidade ocorre no momento em que se evidencia que a realidade social se concretiza por meio das condições de produção e reprodução da existência social das pessoas, que é em nossa sociedade marcada pela luta de classes. Este processo de rompimento exige um esforço construtor de uma interpretação do real que vá para além de uma representação caótica do todo, típico das vivências cotidianas. Este artigo postula que o método materialista histórico dialético pode auxiliar neste processo. Partindo desta constatação, elabora-se reflexão sobre este método de análise do real.

Palavras-chave: Dialética. Pseudoconcreticidade. Realidade. Ciência

Downloads 716  716  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Kriterion  Site http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0100-512X2013000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Filosofia Artigos
Fazer Download agora!Espinoza e o conceito de superstição Popular Versão: 
Atualização:  20/6/2012
Descrição:
ROCHA, André Menezes

O prefácio do Tratado Teológico-Político contém uma teoria da superstição com três partes. Na primeira, Espinoza expõe a gênese psicológica da superstição; na segunda, utiliza um exemplo histórico preciso para comprovar sua tese; na terceira, expõe o uso político da superstição para mostrar como a monarquia vive de sua exploração. Analisaremos separadamente cada parte para, no fim, mostrar como se articulam formando a teoria da superstição.

Palavras-chave: Superstição. Teologia política. Monarquia.

Downloads 707  707  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Ética e Filosofia Política  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Filosofia Artigos
Fazer Download agora!Dar-se uma vida: autobiografia como metodologia filosófica no jovem Nietzsche Popular Versão: 
Atualização:  16/9/2011
Descrição:
BRITO, Fabiano de Lemos

No imbricamento entre a dimensão estilística e o conteúdo positivo das teses filosóficas de sua obra, a autobiografia surge para Nietzsche como o dispositivo segundo o qual ambos se reúnem, tornando-se indissociáveis. Esse procedimento é evidente em textos como Ecce Homo, mas está presente em textos muito mais antigos, como as tentativas autobiográficas de sua época de estudante secundarista. A análise do surgimento, nesse momento, do problema da escritura de si mesmo como prática político-filosófica pode nos levar a propor um princípio estratégico coerente para a leitura dos escritos de Nietzsche como “obra”.

Palavras-chave: Nietzsche. Autobiografia. Bildung. Metodologia. Filosófica.

Downloads 705  705  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Cadernos de Ética e Filosofia Política  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Filosofia Artigos
Fazer Download agora!Bergson e a ideia de duração real Popular Versão: PDF
Atualização:  25/4/2013
Descrição:
SCHLESENER, Anita Helena

O artigo se dedica a analisar alguns aspectos da teoria de Bergson sobre a noção de duração real. Bergson coloca em questão a tradição filosófica, que se funda no pressuposto da permanência e do imutável, e constata o movimento da vida e a temporalidade como fundamento de uma nova ontologia.

Palavras-chave: Bergson. Tradição filosófica. Mobilidade. Duração real. Temporalidade. Ontologia.

Downloads 705  705  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista Filosofia Unisinos  Site http://www.unisinos.br/publicacoes_cientificas/filosofia/index.php?option=com_content&task=view&id=7
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Filosofia Artigos
Fazer Download agora!O Tractatus de Wittgenstein como obra de iniciação Popular Versão: PDF
Atualização:  26/8/2013
Descrição:
PINTO, Paulo Roberto Margutti

Este trabalho constitui um resumo da interpretação global do Tractatus apresentada em meu livro Iniciação ao silêncio, publicado em 1998, e procura mostrar que este texto de Wittgenstein é de fato uma obra de iniciação, no sentido de expressar uma experiência que envolve a complementaridade entre “morrer” e “renascer”. A ideia central é a de que a crítica da linguagem, quando levada às suas últimas consequências, desemboca no suicídio do discurso filosófico (morte), abrindo assim caminho para uma clarificação conceitual de caráter lógico que culmina na contemplação silenciosa do sentido da vida (Renascimento).

Palavras-chave: Wittgenstein. Tractatus. Lógica. Crítica da linguagem. Ética. Misticismo.

Downloads 671  671  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista Filosofia Unisinos  Site http://www.unisinos.br/publicacoes_cientificas/filosofia/index.php?option=com_content&task=view&id=7
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Filosofia Artigos
Fazer Download agora!É possível conjugar liberdade e história? alguns aspectos da contribuição de Sartre ao marxismo Popular Versão: 
Atualização:  16/9/2011
Descrição:
SANTOS, Vinícius dos

A contribuição sartriana figura entre as mais originais fornecidas ao marxismo no século XX. Em Questão de método, livro que abordaremos nesse artigo, o objetivo de Sartre é conciliar a liberdade humana e a singularidade do acontecimento histórico, conquistas de seu existencialismo, com a interpretação histórica do materialismo marxista, sem maiores traumas para ambos. O que pretendemos é justamente expor, de maneira sucinta, alguns aspectos dessa empresa, salientando como Sartre espera "salvar" a Filosofia Marxista de se degenerar numa "antropologia inumana" oriunda do dogmatismo do qual ela foi vítima ao longo do século passado.

Palavras-chave: Marxismo. História. Existencialismo. liberdade. Ação humana.

Downloads 666  666  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Cadernos de Ética e Filosofia Política  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


« 1 2 3 4 5 6 7 8 9 (10) 11 12 13 14 »