Educadores

Ínicio : Geografia : Cartografia : 



Ordenar por:  Título () Data () Notas () Popularidade ()
Ordenados por: Popularidade (Do mais para o menos procurado)

Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!A revolução tecnológica da Geografia Popular Versão: 
Atualização:  30/4/2012
Descrição:
O estudo e o mapeamento da distribuição de recursos naturais e do arranjo social sempre valeram para a Geografia um papel essencial nas sociedades organizadas. Até recentemente, essas atividades eram realizadas apenas em documentos e mapas em papel, o que limitava o cruzamento de diversos mapas e dados. No entanto, com o desenvolvimento tecnológico, tornou-se possível armazenar e representar tais informações no computador, o que abriu espaço para o geoprocessamento. O advento das geotecnologias - com especial destaque para os espaciais são os que podem ser Sistemas de Informações Geográficas (SIGs), que são a base do geoprocessamento, e para os avanços na área de Sensoriamento Remoto - abriu novos campos de atuação para a geografia, trouxe consideráveis avanços no desenvolvimento de pesquisas e tornou a interatividade com outras áreas de conhecimento essencial para a obtenção de resultados.

Palavras-chave: Geografia. Geoprocessamento. Mapas. Sensoriamento remoto. Sistemas de informações geográficas.

Fonte: Revista Conhecimento Prático - Geografia.

Downloads 8764  8764  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!A Cartografia e a Inclusão de Pessoas com Deficiência Visual na Sala de Aula: construção e uso de ma Popular Versão: 
Atualização:  30/4/2012
Descrição:
CARMO, Waldirene R. do; SENA, Carla C.R. Gimenes de

A cartografia tátil vem sendo pesquisada no Laboratório de Ensino e Material Didático de Geografia (LEMADI) do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo há 20 anos, o que permitiu a criação de uma equipe interdisciplinar e internacional que desenvolve e avalia representações gráficas táteis adaptadas para o ensino de Geografia para pessoas com deficiência visual. A visão, como sentido unificador de toda a atividade sensorial, contribui predominantemente para a informação e formação dos indivíduos, o que ocasiona sérias desvantagens para as pessoas com deficiência visual. Contudo, o grau desta desvantagem pode ser contínua e consideravelmente atenuado se, na educação, na reabilitação e na formação profissional, forem aplicadas técnicas adequadas, se forem convenientemente explorados e implementados os recursos didáticos e tecnológicos apropriados e se forem adotadas medidas sociais justas para compensação da deficiência. Um dos grandes desafios com relação à deficiência é a busca das melhores estratégias para que crianças, jovens e adultos aprendam as diferentes matérias dentro de sua formação educacional para facilitar e apoiar sua posterior inserção na sociedade. O estudo da simbologia em diferentes escalas e temáticas tem facilitado o ensino de Geografia tanto para alunos com deficiência visual como os alunos com deficiência auditiva ou mesmo aqueles que não apresentam nenhuma deficiência, mas tem no material uma oportunidade de experimentar o lúdico no processo de aprendizagem. Este trabalho foi iniciado pela pesquisa de doutorado da Professora Regina Araujo de Almeida, pioneira no estudo da cartografia tátil no Brasil, desde 1989 foram construídos mapas, gráficos e ilustrações em relevo para trabalhar conceitos relacionados à Amazônia, e ao Estado de São Paulo, além dos conceitos básicos de cartografia como escala, orientação, ponto de vista e localização. Paralelamente à construção dos materiais, a participação dos pesquisadores do laboratório em projetos internacionais (com apoio do IPGH -Instituto Panamericano de Geografia e História e OEA -Organização de Estados Americanos) oportunizou a realização de uma série de cursos sobre a cartografia tátil, a construção e o uso de representações gráficas táteis para professores de Geografia que tem alunos com deficiência visual na sala de aula, professores especializados em educação especial, mas que precisam de uma base de cartografia e geografia para poder adaptar os materiais com melhor qualidade e também pais que querem ajudar seus filhos a aproveitarem melhor os mapas e gráficos táteis e assim ampliar o aprendizado. O objetivo desse trabalho é apresentar um panorama das pesquisas realizadas no laboratório, com destaque para a adequação das técnicas de construção das representações gráficas táteis desenvolvidas, para o trabalho com professores de escolas públicas e particulares que tem alunos com deficiência visual em sala de aula; bem como a difusão da cartografia tátil e o seu papel na inclusão. O LEMADI é uma referência, não só por suas linhas de investigação, mas também por seu acervo, composto por dezenas de mapas, gráficos, ilustrações, maquetes e esquemas adaptados para pessoas com deficiência visual. Esse acervo é consultado por estudantes do ensino Fundamental, Médio e Superior, professores da rede pública e privada de ensino, pais, profissionais especializados e pessoas com deficiência visual.

Palavras-chave: Cartografia. Cartografia tátil. Construção de materiais. Ensino. Deficiência visual. Inclusão.

Downloads 8244  8244  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma USP  Site 
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!A Cartografia Escolar na Educação Diferenciada: Experiências com a Formação de Professores Popular Versão: 
Atualização:  30/4/2012
Descrição:
ALMEIDA, Regina Araujo de

O presente trabalho aborda a cartografia escolar e a formação continuada de professores, com destaque para a educação diferenciada voltada a grupos minoritários. Para ilustrar a relevância da questão foram incluídas algumas reflexões sobre a produção e uso de mapas tendo em vista usuários com necessidades educativas especiais. São relatadas três experiências junto a professores de escolas públicas que participaram de cursos de formação com conteúdo de cartografia. Estes relatos abordam três áreas da cartografia escolar: a cartografia tátil, a etnocartografia e a cartografia turística. Para cada uma delas, foi incluído um exemplo de atividade prática utilizada e avaliada pelos participantes. Nas considerações finais é ressaltada a importância das tecnologias digitais no ensino de geografia e seu potencial de aplicação à cartografia escolar e à formação inicial e continuada de professores, assim como as limitações que envolvem a inclusão digital e o acesso de professores e estudantes ao mundo das imagens virtuais e das novas tecnologias da comunicação.

Palavras-chave: Cartografia escolar. Cartografia tátil. Etnocartografia. Educação diferenciada e inclusão. Formação de professores de Geografia.

Downloads 7193  7193  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma USP  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!Atlas do Paraná - O uso de novas tecnologias Popular Versão: 
Atualização:  5/9/2013
Descrição:

O Atlas do Paraná - O uso de novas tecnologias - é fruto do trabalho desenvolvido pelo professor Clóvis do Espírito Santo Júnior, com a colaboração de alguns professores PDE, colegas seus, durante seus estudos no Programa de Desenvolvimento Educacional - Seed -PR. O Atlas mostra o uso de novas tecnologias aplicadas ao ensino de Geografia com ênfase nos aspectos geográficos do estado do Paraná, colaborando para que professores, alunos e todas as pessoas que acessem esse instrumento disponham de informações cartográficas com apoio de textos explicativos.

Palavras-chave: Geografia. Localização. Atlas. PDE. Cidade. Mapas. Pontos turísticos. Paraná. Novas tecnologias. ArcView.

Downloads 6628  6628  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFPR  Site 
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!Amazônia, agronegócio e poder: a expansão da fronteira agrícola no município de Vilhena/RO Popular Versão: 
Atualização:  28/10/2011
Descrição:
LUS, D.A.; BORGES, L.R.M.; SILVA, R.G.C.

Esse artigo analisa a recente expansão do agronegócio na Amazônia meridional e como esta atividade tem se efetivado na expansão da fronteira agrícola do município de Vilhena, sul do Estado de Rondônia, em função das novas características imposta pela demanda externa e as relações econômicas de ordem global se efetivarem com a apropriação do território. Dessa maneira, o território se reestrutura para suprir a demanda da produção econômica, apresentando novas funcionalidades regionais. Com isso o espaço geográfico do município de Vilhena tem seu espaço de produção, com a inserção de capitais, maquinário agrícola, as construções, os arranjos territoriais, devido à expansão do agronegócio, e se destacando como o principal produtor de grãos de soja do Estado. Como partido teórico-metodológico, conduzimos nossa reflexão com base na teoria geográfica da sociedade elaborada por Milton Santos, abordando a expansão do meio técnico cientifico-informacional. Para os procedimentos técnicos, seguimos com análise estatístico cartográfica utilizando o software de cartografia temática PHILCARTO.

Palavras-chave: Amazônia. Agronegócio. Poder. Território. Globalização.

Downloads 5679  5679  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!Uma metodologia de trabalho de campo para o ensino de Geografia nas séries iniciais da escola fundam Popular Versão: 
Atualização:  5/9/2013
Descrição:
OLIVEIRA, Antonio Marcos Machado de; MIRANDA, Sérgio Luiz; REIS, Laura; SILVA, Tiago de Deus

Esse trabalho tem por objetivo apresentar uma metodologia do trabalho de campo como atividade pedagógica e discutir sua importância para o estudo do espaço local, no ensino de geografia, nas séries iniciais da escola fundamental (1.a a 4.a séries), enfatizando os procedimentos metodológicos e as possibilidades de registro e exploração dos dados obtidos no campo através de diferentes linguagens, particularmente as gráficas, cartográficas e fotográficas. O trabalho trata de uma atividade realizada como parte de um curso de extensão oferecido para os professores da educação básica que atuam profissionalmente nas séries iniciais de ensino fundamental em escolas da rede municipal de ensino de Uberlândia, MG. O curso “Cartografia no ensino de geografia para as séries iniciais: práticas educativas” foi ministrado no período de março a agosto de 2008, no Centro Municipal de Estudos e Projetos Educacionais – CEMEPE, da Secretaria Municipal de Educação de Uberlândia-MG. O objetivo principal desse curso foi proporcionar aos professores que não possuem formação acadêmica específica em Geografia melhores condições para tratarem dos conhecimentos geográficos e cartográficos na abordagem do espaço local, como conteúdos do ensino previstos nas orientações curriculares atuais. Diante disso, o trabalho de campo foi proposto como uma das atividades a serem desenvolvidas com os professores durante o curso, pois o mesmo contribui para uma maior compreensão do espaço local, uma vez que permite uma abordagem integrada dos diferentes aspectos geográficos. O trabalho de campo foi planejado a partir da análise das diretrizes curriculares municipais, as quais norteiam o programa de ensino dos professores, sendo que a partir delas foram destacados alguns temas do estudo do espaço local pertinentes para a execução dessa atividade, a saber: o comércio local, localização dos serviços públicos, relevo, hidrografia, vegetação, problemas ambientais (erosão dos solos, destruição de mata ciliar e do cerrado, deposição do lixo), bem como a transição cidade-campo. Para a consecução dessa atividade foi escolhido o Bairro Laranjeiras, situado na zona sul de Uberlândia, MG, por se tratar do local onde está localizada uma escola – Sebastiana Pinto - na qual trabalham quatro professoras participantes do curso. Além disso, esse bairro oferecia boas condições para se fazer uma análise dos vários aspectos geográficos que foram selecionados por meio das diretrizes curriculares.

Palavras-chave: Geografia. Cartografia. Aula de campo. Séries iniciais. Ensino fundamental. Diretrizes Curriculares. Educação Básica.

Downloads 5082  5082  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma EGAL  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!As limitações da Linguagem Cartográfica no Ensino Médio: análise do livro didático e do Vestibular Popular Versão: 
Atualização:  5/9/2013
Descrição:
PALOMO, Vanessa de Souza

A leitura dos Mapas. Este é, sem dúvida, um tema bastante discutido dentro da ciência geográfica. Quais os limites existentes para o pleno entendimento das informações contidas em uma representação cartográfica? Muito se fala sobre como elaborar um mapa que seja de fácil leitura a qualquer pessoa e ao mesmo tempo contemple a complexidade da realidade em que vivemos. Muito tem sido discutido e vários trabalhos vêm sendo realizados na perspectiva de entendimento de como se dá o aprendizado de noções cartográficas (tempo e espaço) em crianças, de acordo com sua habilidade cognitiva, baseados nos estudos de Jean Piaget. Enfatiza-se aqui, neste artigo, a preocupação com a leitura dos mapas feita pelos estudantes do Ensino Médio, ressaltando que estes já não se encontram em plena maturidade cognitiva e possuem todos os atributos para o entendimento de uma representação cartográfica. Nesse sentido, como o aluno do Ensino Médio tem acesso à Linguagem Cartográfica? Sabe- se que muitos problemas são enfrentados nas escolas públicas brasileiras, e destaca-se aqui a ausência da distribuição de livros didáticos de Geografia para o Ensino Médio. Muitas escolas não possuem mapas, enfim, vários são os limites encontrados dentro do Ensino no Brasil. O que nos propomos aqui é analisar livros didáticos produzidos para o Ensino Médio e, assim, discutir se estes são capazes de instrumentalizar os estudantes para uma correta leitura dos mapas para que, posteriormente, estes consigam analisar e refletir sobre fenômenos geográficos. Adrede a isso, as questões que envolvem a linguagem cartográfica nos vestibulares da Unicamp também foram analisadas, no intuito de responder se os livros didáticos produzidos para o Ensino Médio são ferramentas eficazes para a leitura e compreensão da Cartografia e se, sobretudo, contêm os atributos necessários ao que é requisitado nas provas dos vestibulares.

Palavras-chave: Mapas. Geografia. Ensino médio. Linguagem cartográfica. Cartografia. Livros didáticos.

Downloads 3926  3926  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Uniesp  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!Ferramentas da internet para o ensino de Cartografia para crianças Popular Versão: 
Atualização:  30/4/2012
Descrição:
BARROS, Márcia Rejane Oliveira; SILVA, Mirele Viegas da; SÁ, Lucilene Antunes Correia Marques de

O trabalho apresenta um projeto para elaboração de um site sobre Cartografia, oferecendo uma nova metodologia de ensino da Cartografia para crianças na fase da educação infantil. A proposta está baseada na visualização do espaço tridimensional, para percepção de formas e volumes, utilizando técnicas de Modelo Digital de Terreno (MDT). O objetivo é gerar um material que motive as crianças a se alfabetizarem na Cartografia, estimulando e familiarizando o uso de mapas na internet, permitindo, assim, o acompanhamento dos avanços tecnológicos. Apesar do estudo visar, neste primeiro momento, o ensino da Cartografia diretamente ligado à Geografia, as aplicações poderão ser estendidas ao ensino de outras ciências, como a História.

Palavras-chave: Internet. Cartografia. Metodologia. Mapas. Geografia.

Downloads 3280  3280  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!A Cartografia digital e sua aplicação na análise espacial da violência na cidade: o exemplo de Rio C Popular Versão: 
Atualização:  30/4/2012
Descrição:
LOMBARDO, Magda Adelaide; ANTONELLO, Sérgio Luís; MAGALHÃES, Mônica G. M.;OLIVETTI, Gerson da Silva; ROSSETTI, Lucimari Ap. F.G.

O objetivo do trabalho é construir um sistema de banco de dados contendo registros de ocorrências relativas à Segurança Pública associados à planta cadastral de Rio Claro, utilizando-se do ArcGIS 8.2 e Autodesk MAP 5. Este sistema permite a identificação dos principais focos de violência da cidade de Rio Claro, integrando e espacializando os dados de maneira digital, o que poderá subsidiar a política pública local no combate à violência e possibilitar uma atuação preventiva e eficaz.

Palavras-chave: Cartografia digital. Violência. Rio Claro. Políticas públicas.

Downloads 3098  3098  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site 
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Cartografia
Fazer Download agora!Experiência na aplicação da Cartografia tátil no ensino de Geografia Popular Versão: 
Atualização:  5/9/2013
Descrição:
SENA, Carla Cristina Reinaldo Gimenes de

Ver, escutar, cheirar, degustar e tocar. Todos esses sentidos são os meios que utilizamos para receber as informações do entorno. Essas informações são fundamentais para o nosso desenvolvimento e também para nos comunicarmos. A pessoa com deficiência visual tem diminuída ou mesmo comprometida a capacidade de decodificar informações que estão sintetizadas em imagens, necessitando de uma adaptação dessa informação para a sua compreensão parcial ou total. Quando isso ocorre, os demais sentidos, principalmente a audição e o tato, se forem estimulados de maneira correta, podem auxiliar e até substituir a visão no processo de percepção e interação com o meio. A estimulação deve levar em consideração que as pessoas, independente de apresentarem uma deficiência, não constróem seu esquema corporal sozinhas, elas necessitam da relação com outras pessoas e com o meio. A pessoa que não constrói satisfatoriamente seu esquema corporal terá dificuldade de reconhecer o espaço ao seu redor, prejudicando sua mobilidade e, por consequência, sua autonomia. Juntamente com a estimulação correta dos demais sentidos é fundamental a adaptação ou modificação da forma como a informação é disponibilizada a esse público. Este trabalho relata a experiência na seleção e adaptação de mapas e ilustrações para a linguagem tátil com o objetivo de auxiliar o ensino sobre alguns aspectos da cidade de São Paulo, com destaque para o seu crescimento urbano para estudantes com deficiência visual. Elaborou-se uma sequência de mapas que representam a área urbana de São Paulo em cinco épocas distintas. Foi construída uma maquete que representa a cidade na primeira metade do século XIX, a maquete contém alguns sensores de toque que permitiram a inserção de sons com informações sobre patrimônios históricos da região central da cidade. O objetivo desses materiais é proporcionar a compreensão de um recorte histórico geográfico sobre São Paulo, auxiliando o estudante com deficiência visual a avançar do nível da identificação e localização para a interpretação, análise e síntese dos assuntos estudados. Para ilustrar parte do processo histórico ocorrido optou-se por trabalhar, além da maquete e dos mapas, com ilustrações das fachadas de alguns edifícios históricos do centro, que também sofreram alterações, algumas bem radicais – como é o caso da igreja da Sé, demolida para dar lugar à atual catedral, por exemplo. O desenvolvimento do trabalho mostrou que quando os estudantes com deficiência visual têm a oportunidade de participar ativamente de um processo de aprendizagem que estimula sua percepção tátil, respeita sua vivência e trabalha com as noções básicas do mapa (escala, ponto de vista, orientação, localização e simbologia) podem alcançar níveis satisfatórios de compreensão das representações gráficas. Nesse sentido, é possível que a associação de mapas táteis com outros recursos didáticos como maquetes sonoras e ilustrações facilite o processo de aprendizagem de um tema especifico para estudantes com deficiência visual, desencadeando uma discussão mais ampla e reflexiva sobre o que está sendo estudado.

Palavras chave: Cartografia tátil. Deficiência visual. Ensino de Geografia. Inclusão. Mapas táteis. Maquete sonora.

Downloads 2933  2933  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site 
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


(1) 2 3 4 »