Educadores



Categoria: Pedagogia Dissertações
Fazer Download agora!As softs e os hards: a produção de conhecimento em um portal de Educação em Curitiba - PR Popular Versão: PDF
Atualização:  22/8/2013
Descrição:
SANTOS, Solange Ferreira dos

Esta dissertação foi desenvolvida com o objetivo de analisar o processo de desenvolvimento de conteúdos pedagógicos de Matemática para o Ensino Fundamental I, sob a ótica de gênero em um Portal de Educação na cidade de Curitiba - PR. Para a realização desta pesquisa adotou-se a abordagem qualitativa por entender que esta se adequava à elucidação da pergunta-problema. Foram utilizados autores e autoras que iluminaram com suas ideias e teorias este estudo, tais como: Scott, Louro, Carvalho, Valente, Rocha, Castells, Warschauer Rapkiewicz. Para conhecer o ambiente do Portal de Educação foi realizado mapeamento e constatou-se que existem dezoito departamentos, sendo que homens e mulheres atuam diretamente em várias áreas do conhecimento. Após este levantamento selecionou-se um dos departamentos, o de “Novos Produtos” onde os/as profissionais atuam no desenvolvimento de conteúdos pedagógicos utilizando as Tecnologias Educacionais. Foram realizadas entrevistas com dez profissionais (programadores/as, designers e professoras de matemática). Os/as criadores dos conteúdos são 60% do sexo masculino e 40% são mulheres. As relações de gênero, neste ambiente, são estanques e isoladas, não havendo interação entre os sujeitos. As mulheres desenvolvem o trabalho mais voltado para a área educativa, fornecendo conteúdos para os homens, que em sua maioria, realizam o trabalho técnico de design e programação. Foram também analisadas algumas atividades que a Equipe de Novos Produtos desenvolveu durante os anos de 2006 a 2007, o que resultou em um software “Aprimora” de Matemática e Língua Portuguesa. Esta pesquisa centrou-se na análise das atividades de matemática. As representações de gênero nas atividades analisadas refletem as relações concretas vivenciadas no ambiente de trabalho. O emprego da linguagem androcêntrica e sexista deixa de contemplar, muitas vezes, a figura feminina, assim, a maioria das atividades se tornam mais estimulantes e significativas para os meninos do que para as meninas. Os conteúdos pouco demonstram a ideia de igualdade entre os sexos, relaciona-se a matemática como uma ciência majoritariamente masculina. Este fato pode ser um indício que explique a pequena quantidade de meninas que ingressam nessa área do conhecimento.

Palavras-chave: Tecnologias de informação e comunicação. Portais de educação. Gênero e tecnologia. Softwares. Internet. Tecnologia aplicada a educação.

Downloads 2576  2576  Tamanho do arquivo 2.68 MB  Plataforma Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR  Site http://www.ppgte.ct.utfpr.edu.br
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.