Educadores



Categoria: Sociologia Dissertações
Fazer Download agora!Da família pensada a família vivida : estigma, infertilidade e as tecnologias conceptivas  Popular Versão: PDF
Atualização:  16/8/2013
Descrição:
STRAUBE, Katia Maria

Este estudo focaliza a articulação entre as Novas Tecnologias Reprodutivas Conceptivas (NTRc) e os estudos da família. A reprodução detém um alto valor social veiculado historicamente e a ausência de fertilidade sempre trouxe dissabores a quem não pudesse procriar. A ideia de que o corpo fértil é natural e a impossibilidade de autoconstrução subjetiva fora da procriação comprometem o indivíduo infértil, que se vê sem lugar no mundo. No contexto contemporâneo da infertilidade, a busca obstinada pelo (a) filho (a) desejado(a) pode ser realizada pelas tecnologias reprodutivas que disponibilizam um arsenal sofisticado e complexo de procedimentos biotecnológicos. Não poder procriar mobiliza o estigma que marca e discrimina quem se desvia desta ordem social estabelecida. O objetivo desta pesquisa é identificar a permanência ou não do estigma da infertilidade em homens e mulheres que se submeteram às tecnologias reprodutivas após, pelo menos, cinco anos da sua experiência. Sua hipótese é que a situação do estigma, embora aparentemente resolvida no contexto social, ao se obter o êxito laboratorial, perdura de algum modo após o nascimento dos filhos, o que se evidencia, principalmente devido a pouca disposição em falar sobre a experiência vivida. Partindo das representações dos sujeitos, investiga as vinculações entre a concepção biotecnológica e a vivência ou não da estigmatização social e subjetiva; aborda as repercussões das questões do sigilo e do segredo que se enredam neste contexto e busca compreender se a família imaginada, que é anterior à busca pelas NTRc, corresponde à família vivida, a que se constituiu após o uso destas tecnologias. Confirma-se a existência do estigma da infertilidade em homens e mulheres que, embora se assemelhe, apresenta especificidades nos seus conteúdos simbólicos. Demonstram-se os temores que cercam a estigmatização, evidenciados por culpa, frustração, angústia, ambivalência, sofrimentos e dilemas envolvidos em situações de segredos, medo de se revelar e tentativas obstinadas pela superação, que condicionam a busca aos atuais recursos tecnológicos reprodutivos. O tempo decorrido mostra que as NTRc são positivadas por serem estratégias resolutivas que cumprem o desejo idealizado de filho, amenizam a situação conflituosa vivida e são vistas como responsáveis pela formação familiar. A vivência da família tecnologicamente constituída reassocia fertilidade e prazer na aproximação entre família pensada e família vivida visto que a tecnologia reprodutiva dissociou sexo e reprodução. O decurso do tempo mostra, também, que as marcas do estigma podem deixar cicatrizes em nível das subjetividades que tendem a se projetar no (a) filho (a) tão desejado (a), seja por preocupações, cuidado excessivo, idealizações e temores de que também possa ser discriminado (a).

Palavras-chave: Novas tecnologias reprodutivas. Infertilidade. Estigma. Família.

Downloads 2041  2041  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFPR  Site http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/handle/1884/11732
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.