Educadores

Ínicio : Geografia : Artigos : 



Ordenar por:  Título () Data () Notas () Popularidade ()
Ordenados por: Data (antigos listados primeiro)

Categoria: Geografia Artigos
Fazer Download agora!O Paraná na história da mineração no Brasil do século XVII Popular Versão: 
Atualização:  4/9/2013
Descrição:
LICCARDO, Antonio; SOBANSKI II, Arnoldo; CHODUR, Nelson Luiz

Enquanto na América Espanhola os conquistadores já encontraram ouro quando chegaram, no Brasil os minérios não foram encontrados imediatamente. Os primeiros registros, em torno de 1570, apontam a região de Paranaguá, Guaraqueçaba e Cananéia, na capitania de São Vicente, como as primeiras minas cartografadas no novo território português. Até a descoberta dos garimpos de Vila Rica em Minas Gerais, em torno de 1680, a produção de ouro, que nunca chegou a ser grande, foi totalmente concentrada na Capitania de São Vicente, no território que hoje é o Paraná. Muitas vilas e cidades devem sua fundação aos eventos de mineração dessa época. Com o início do ciclo do ouro em Minas Gerais, uma forte migração aconteceu, deslocando grandes contingentes da população e relegando a região do Paraná ao abandono. Apesar das graves consequências sociais e econômicas dessa mudança, é possível traçar a relevância da atividade mineradora para o Paraná durante o século XVII. A presença dos garimpeiros como catalisadores de povoamento e domínio territorial é ressaltada. Além disso, sua capacidade de prospecção de minérios abriu caminho para futuras minerações sistemáticas. A experiência de aprendizagem de quase um século fez do Paraná uma espécie de protótipo para que se desenvolvesse a tecnologia necessária a se aplicar em outras regiões.

Palavras-chave: História da mineração. Paraná. Garimpos. Ouro. Povoamento. Região.

Downloads 465  465  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFPR  Site http://ojs.c3sl.ufpr.br
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Artigos
Fazer Download agora!O Tratado da Antártica: Perspectivas Territorialista e Internacionalista Popular Versão: 
Atualização:  4/9/2013
Descrição:
Vieira, Friederick Brum

Enquanto fenômeno das relações internacionais, o Tratado da Antártica pode ser explicitado por dois grandes vieses: o geopolítico e o jurídico. Argumenta-se que o continente antártico expressa interesses geopolíticos de Estados que reivindicam fatias de seu território, numa perspectiva chamada de “territorialista’’, mas que tais interesses são condicionados juridicamente por norma internacional através de uma outra perspectiva, denominada de ‘’internacionalista’’. Assim, o Tratado da Antártica agiria como um aliviador de tensões que, sem negar as reivindicações territoriais sobre o território antártico, as eclipsaria ao traduzir a questão num contexto marcado pela paz, pela ciência e pela cooperação internacional. Este trabalho busca refletir sobre essa hipótese e antecipar algumas das premissas sobre as quais se baseia o projeto de pesquisa de doutorado do autor, cujo objeto são as demandas de Estados latino-americanos sobre a Antártica.

Palavras-chave:Tratado da Antártica. Territorialismo. Internacionalismo. Geopolítica. Direito Internacional.

Downloads 632  632  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site http://www.usp.br
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Artigos
Fazer Download agora!O Uso do Sensoriamento Remoto na Educação Ambiental Popular Versão: 
Atualização:  4/9/2013
Descrição:
FLORENZANO, Teresa Gallotti e SANTOS, Vânia Maria Nunes dos

Embora cada vez mais frequentes nos meios de comunicação visual, em livros e atlas, e apesar do seu potencial como recurso didático, as imagens de satélites são ainda pouco exploradas na educação escolar. O objetivo desse artigo é promover o desenvolvimento na escolas do uso da ferramenta de sensoriamento remoto como recurso didático na educação ambiental.

Palavras-chave: Sensoriamento remoto. Educação ambiental. Tecnologia. Mapeamento. Satéilites.

Downloads 515  515  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site http://marte.dpi.inpe.br
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Artigos
Fazer Download agora!Os desafios regionais da mesorregião geográfica oeste do Paraná Popular Versão: 
Atualização:  4/9/2013
Descrição:
NASCIMENTO, Wagner Cipriano; SCHROEDER, Carla Andrea

A abordagem trazida por este estudo se refere à divisão do território paranaense, estabelecida pela dinâmica das mesorregiões geográficas, com a análise da mesorregião Oeste do Paraná. Esta mesorregião se subdivide em três microrregiões: Microrregião de Toledo, Microrregião de Cascavel e Microrregião de Foz do Iguaçu. O trabalho destaca, principalmente, as microrregiões de Toledo e Foz do Iguaçu, e os impactos provocados pela Itaipu nestas microrregiões. Indica a nova configuração da região da Costa Oeste, por meio de um rearranjo econômico e político, consequência da construção da hidrelétrica. Aborda também a questão do pagamento dos royalties, o desenvolvimento da região e o papel das entidades regionais. O objetivo é indicar quais são os desafios regionais e locais desta mesorregião frente aos processos recentes, de forma isolada ou integrada, correlacionando dados comparativos para expressar as dinâmicas desta região. A metodologia utilizada é a descrição, explicação e análise geográfica, por meio do uso de dados quantitativos para subsidiar as análises qualitativas.

Palavras-Chave: Costa Oeste. Itaipu. Mesorregião Oeste. Microrregiões. Território. Paraná. Foz do Iguaçu. Toledo. Cascavel.

Downloads 1756  1756  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Unioeste  Site 
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Artigos
Fazer Download agora!Paraná em Relevo: Proposta Pedagógica para Construção de Maquetes Popular Versão: 
Atualização:  4/9/2013
Descrição:
GOMES, Marquiana de Freitas Vilas Boas

O texto aqui apresentado é resultado da oficina-pedagógica ministrada na XIII Semana de Geografia da Universidade Estadual do Centro-Oeste – Unicentro, Campus de Guarapuava-PR. Para isso, inicia-se com uma reflexão sobre as possibilidades da maquete como recurso de apoio-didático pedagógico para a alfabetização cartográfica e, consequentemente, para o ensino de Geografia. Posteriormente, apresenta-se o procedimento, etapa a etapa, para a elaboração da maquete hipsométrica do Paraná.

Palavras-chave: Maquete. Alfabetização Cartográfica. Ensino. Mapa. Escala.

Downloads 987  987  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UEL  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Artigos
Fazer Download agora!Percepção ambiental e atividade turística no Parque Estadual do Guartelá - Tibagi-PR Popular Versão: 
Atualização:  4/9/2013
Descrição:
PINHEIRO, Evandro da Silva

Este estudo analisa as interações e influências recíprocas entre o homem e o meio ambiente, geradas através da atividade turística. O Turismo tem se apropriado dos espaços, urbanos e rurais, nem sempre de forma planejada. Ao contrário, o imediatismo financeiro tem prevalecido na maioria dos casos, resultando em reações negativas ou entendimentos inapropriados quanto ao uso de áreas naturais para lazer, e em consequentes impactos negativos. O estudo leva em conta a percepção dos visitantes e sua compreensão sobre o espaço. Percepção entendida como um reflexo imediato da interação dos sentidos (visão, audição, olfato, tato) e dos valores pessoais (caráter, personalidade, cultura etc.). Compreensão, sobre sua conduta, sobre seu papel e reflexos na conservação do ambiente visitado. O objeto de análise foi o Parque Estadual do Guartelá (PEG), localizado no Município de Tibagi, Estado do Paraná. Apoiando-se em bases teórico metodológicas do campo de estudo da percepção geográfica, visa-se identificar/analisar/compreender e demonstrar como a percepção dos visitantes na área do PEG revela os processos subjetivos que perpassam a interação homem-ambiente. Os resultados são tratados como instrumentos nos planejamentos voltados às melhores práticas do turismo em áreas naturais, propondo-se estratégias e ações, voltadas a promover o envolvimento desses visitantes através de corretos procedimentos na recepção e orientação e adequadas estruturações.

Palavras-chave: Percepção ambiental. Interação. Conduta. Ambiente. Turismo. Áreas naturais.

Downloads 279  279  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFPR  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Artigos
Fazer Download agora!Planejamento estratégico, estatuto da cidade e plano diretor: métodos e instrumentos de organização  Popular Versão: 
Atualização:  4/9/2013
Descrição:
FARIA, Aloisio Nunes de; FARIA, Eliane Rocha de; FARIA, Leonardo Rocha de

Análise da aplicação do denominado “planejamento estratégico”, considerando a visão globalizada na qual inserem-se as cidades contemporâneas, destacando-se a necessidade de desenvolvimento das cidades sob o enfoque da dinâmica global. Abordagem da importância dos Planos Diretores como instrumentos importantes na consecução do ordenamento urbano, na regulação de uso do solo, de modo a conferir ao cidadão melhor qualidade de vida e propiciar a ocupação do território de forma mais igualitária e justa. Exposição dos dispositivos legais trazidos pela Lei n. 10.257/01 – o denominado Estatuto da Cidade, que veio reforçar o direito às cidades sustentáveis, propondo a adoção de instrumentos legais para a sua gestão, observando-se os seus aspectos sociais, ambientais e urbanísticos.

Palavras-chave: Território. Organização. Planejamento estratégico. Cidades. Estatuto da cidade. Plano diretor. Uso do solo. Urbano. Meio ambiente. Gestão.

Downloads 399  399  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site http://www.caminhosdegeografia.ig.ufu.br
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Artigos
Fazer Download agora!Popularização da taxonomia de solo: vocabulário mínimo e aspectos sócio-econômicos no contexto do en Popular Versão: 
Atualização:  4/9/2013
Descrição:
DINIZ, Adriana Araújo; BATISTA, Rui Bezerra; SANTOS, Roseilton Fernandes dos

Este estudo objetivou construir uma proposta pedagógica com alunos de nível fundamental na comunidade de São Miguel, Esperança (PB). Procurou-se despertar o interesse dos estudantes para a importância do solo em suas vidas, bem como adequar a terminologia usada na pedologia à linguagem cotidiana dos alunos. Seguiu-se como método a abordagem paulofreireana na qual se considera que o contexto da escola extrapola o da sala de aula, devendo envolver o máximo de pessoas da comunidade. Assim, procurou-se levantar informações quanto à renda familiar, moradia, número de irmãos e irmãs, atividade principal do responsável pela família, etc. Deste levantamento, extraiu-se, também, o vocabulário mínimo, com palavras e expressões geradoras que sintetizam o universo de conhecimento em São Miguel. Os resultados denotaram a dureza do cotidiano e uma educação repressiva diante da indomabilidade dos filhos. Observou-se que elementos pedagógicos presentes no vocabulário mínimo podem facilitar a popularização do saber pedológico no ensino fundamental. O vocabulário mínimo promoveu uma melhor comunicação durante as aulas entre educadores e educandos, bem como permitiu a construção de conceitos para as ordens de solos mais representativas da região: Neossolos e Argissolos. A construção de monólitos de solos constituiu importante recurso auxiliar nas aulas expositivas e dialógicas, despertando nas crianças maior interesse para o tema solo e meio ambiente.

Palavras-chave: Pedologia. Linguagem. Taxonomia de solo.

Downloads 2659  2659  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Scielo  Site http://www.scielo.br
Avaliação: 10.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Artigos
Fazer Download agora!Qualidade de Vida no Distrito de Cachoeirinha - São Paulo – SP Popular Versão: 
Atualização:  4/9/2013
Descrição:
ROGGERO, Marília Araujo

O objetivo do presente trabalho foi analisar a qualidade de vida da população residente no distrito de Cachoeirinha, localizado na zona norte da cidade de São Paulo. A qualidade de vida urbana tem sido estudada pelas mais diversas áreas do conhecimento e é uma temática complexa. O tema qualidade de vida envolve questões multidisciplinares apresentadas com contornos diferenciados, de acordo com a relevância do momento histórico, das condições sociais, bem como da ideologia dominante a partir dos objetivos propostos. Isso posto, a abordagem adotada no presente estudo está focada na satisfação das necessidades básicas da população, de modo a garantir o pleno desenvolvimento físico, mental e social. Para isso, foram abordadas três dimensões: condições de saneamento, situação socioeconômica e demografia, por meio da utilização dos dados censitários (IBGE, 2000). Para a espacialização e processamento dos dados foram utilizadas técnicas de Geoprocessamento, por meio do uso de um Sistema de Informação Geográfica (SIG) e técnicas estatísticas, que garantiram a distribuição espacial dos dados levantados. A partir dessas técnicas foi possível elaborar o mapa síntese da qualidade de vida do distrito.

Palavras-chave: Qualidade de vida urbana. Indicadores sociais. Sistemas de informações geográficas. Análises multivariadas.

Downloads 454  454  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site http://www.usp.br
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Geografia Artigos
Fazer Download agora!Qualidade do espaço e habitação humana Popular Versão: pdf
Atualização:  4/9/2013
Descrição:
VALADARES, Jorge de Campos

Pretendemos acompanhar aqui a evolução da habitação humana como uma tarefa de construir, habitar e compreender o mundo, iniciando pela invenção e habitação do próprio corpo, o primeiro instrumento de viver e a primeira morada. Como o ser humano é constituído a partir de memória e convívio, o espaço e o tempo do cotidiano são elementos essenciais nessa obra. A casa do homem é, antes de tudo, lugar de presença e de construção de histórias. O espanto, essencial para o exame da situação do sujeito, vai encontrar espaços vazios, "lugares-nenhum", hoje multiplicados ao infinito, onde surgem os sujeitos, mas também onde podem eles se perder para sempre. Confirmamos, na análise da história da habitação, que não há uma saúde pública, mas uma saúde coletiva, a ser continuamente inventada a partir de novas versões apresentadas pelos sujeitos na cena da cultura.

Palavras-chave: Espaço e qualidade de vida. Situação do sujeito. Subjetividade e espaço.

Downloads 275  275  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


« 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 (13) 14 15 16 »