Educadores

Ínicio : Ciências : Artigos : 



Ordenar por:  Título () Data () Notas () Popularidade ()
Ordenados por: Popularidade (Do mais para o menos procurado)

Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!A evolução dos instrumentos de observação astronômica e o contexto histórico-científico Popular Versão: pdf
Atualização:  8/10/2012
Descrição:
FORÇA, Ana Claudia; PEREZ, Everton Piza; QUINTILIO, Maria Salete Vaceli; ALVES, Vagner Camarini

A visão de um céu estrelado numa noite límpida tem fascinado a Humanidade desde os tempos pré-históricos. O homem começou a “fazer ciência” a partir do momento em que se perguntou o que eram as estrelas e porque estavam ali, desenhando a aparência do céu e tentando predizer os fenômenos celestes. A partir do momento em que Galileu apontou sua luneta para céu, iniciou-se uma estreita relação entre a evolução dos instrumentos astronômicos, a tecnologia, a história e a ciência. Para isso, basta citarmos a grande revolução cósmica, iniciada por Nicolau Copérnico, que nos tirou da idade das trevas e nos guiou ao Renascimento. Usando uma luneta, Galileu deu suporte às idéias de Copérnico, culminando com a teoria da Gravitação Universal de Newton (Kaufmann 1994; Jatenco-Pereira et al. 2000). Atualmente, muitas pesquisas têm sido realizadas dentro da temática da melhoria do ensino de Ciências. No entanto, a História da Ciência ensinada nos ensinos fundamental e médio, e até no superior, apresenta problemas, como erros factuais e conceituais (Bastos 1998). Na área de Astronomia, por exemplo, não é raro folhear livros didáticos e encontrar dezenas de erros grosseiros. Outro problema é a falta de contextualização dos poucos textos disponíveis, que, em geral, não mostram a relação entre Ciência e Sociedade. Portanto, podemos seguir o caminho de evolução dos instrumentos de observação astronômica, ligando-a a produção de conhecimento científico, implementação da tecnologia e sua influência na História. No presente trabalho estuda-se a evolução desses instrumentos a partir do olho humano, considerado o mais importante dentre os instrumentos de observação visual. Esse trabalho se desenvolve a partir de uma análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM), de como os textos didáticos trabalham a Óptica e a Astronomia e faz uma proposta didática para o ensino de Óptica fundamentado nos equipamentos da astronomia. A intenção é que a metodologia aqui proposta possa ser aplicada no Ensino Médio, dentro da realidade educacional das escolas públicas ou privadas de nosso estado e também do país.

Downloads 64129  64129  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Unoeste -SP  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Aulas Práticas Investigativas: Uma experiência no ensino fund p/ a formação de alunos participativos Popular Versão: pdf
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
SEREIA, Diesse Aparecida de Oliveira; PIRANHA, Michele Marques

Acreditando ser uma problemática encontrada num colégio público do oeste do PR, foi proposto o uso de aulas práticas investigativas no decorrer da disciplina de ciências em 2008 para 92 alunos de 7º séries do ensino fundamental com altos índices de indisciplina. Vários foram os objetivos, dentre eles estão à ampliação do espaço educacional para além das salas de aula, uma maneira de vivenciar conteúdos na prática onde erros e acertos foram valorizados no decorrer do processo de ensino e aprendizagem e a sensibilização dos alunos com relação ao meio ambiente escolar. O trabalho foi dividido em três etapas, primeiramente na fundamentação teórica, seguida das confecções de terrários, com uma observação periódica e posterior discussão dos dados obtidos. Os alunos passaram a relacionar o que foi aprendido em sala de aula com o seu dia-a-dia. Além disso, podem-se destacar outras conquistas como diminuição da indisciplina em sala de aula, cooperação e o interesse dos alunos.

Palavras-chave: Práticas investigativas. Construção do conhecimento. Terrários.


Artigo enviado pelas autoras.

Downloads 28169  28169  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Unioeste  Site 
Avaliação: 8.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!A Importância da Biodiversidade Popular Versão: PDF
Atualização:  19/2/2013
Descrição:
SANTOS, Fernando Santiago dos.

Diversas são as definições que podem ser aplicadas ao termo biodiversidade, incluindo as mais simples (riqueza do número de espécies) e outras mais abrangentes e complexas (variedade de seres vivos da Terra, fruto de bilhões de anos de evolução, moldada pelos processos de seleção natural e também pelas interferências antrópicas). A biodiversidade pode ser interpretada do ponto de vista da variação intra-específica e incluir, em maior escala, a variedade de tipos de comunidades ou ecossistemas de dada região. Ainda não há consenso entre os pesquisadores acerca do número de espécies existentes atualmente em nosso planeta. A disparidade numérica (entre três e 30 milhões de espécies) deve-se, entre outros fatores, às dificuldades de identificação e descrição dos grupos biológicos, além da extinção de espécies que sequer chegam a ser inventariadas e catalogadas. Algumas estimativas recentes apontam o Brasil como um dos países mega-diversos, com cerca de 50 mil espécies de fanerógamas e com 13% do total mundial de espécies de plantas, animais e fungos. Além disto, poucas unidades federativas brasileiras dispõem de listagens de plantas e animais. São Paulo e Santa Catarina, por exemplo, têm sido apontados como os estados com trabalhos mais completos de suas faunas e floras, destacando-se, no primeiro, os esforços do programa Biota da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Biota – FAPESP). Em dez anos de trabalho, cerca de duas mil novas espécies foram catalogadas nesse programa. Com o intuito de preservar o patrimônio genético em nosso planeta, 25 áreas de alto endemismo e fortes pressões antropogênicas (hot spots) foram reconhecidas: estas áreas detêm 44% de espécies de plantas do mundo e 35% de espécies de vertebrados (excluindo peixes). O bioma atlântico e o cerrado são dois hot spots brasileiros com expressividade no panorama mundial. Particularmente no cenário brasileiro, o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), visando à preservação e à conservação do patrimônio biológico nacional, reconhece diversas Unidades de Conservação (UCs) como as UCs de Proteção Integral (Parques Nacionais e Reservas Biológicas, por exemplo) e as UCs de Uso Sustentável (Florestas Nacionais, Reservas Particulares do Patrimônio Natural, por exemplo). Muitas são as ameaças à biodiversidade, principalmente nas regiões intertropicais (favorecidas, em milhões de anos, por alternância entre períodos quentes e de glaciações, que modificaram o clima e a estrutura da Terra): destruição de habitats, introdução de espécies exóticas oriundas de água de lastro, por meio de trânsito de sementes etc., diminuição de endemismo, contrabando, caça e pesca predatórias, extinção de espécies, entre outras. Neste contexto, é importante a investigação acerca do papel desempenhado pelas espécies-chave nas funções ecológicas dos ecossistemas e o comprometimento destes em função da extinção dessas espécies, além da suscetibilidade a doenças e dizimações em massa existente entre populações cujos indivíduos possuem pouca variação genética. Levantamentos da Convenção sobre a Diversidade Biológica da ONU apontam taxas de perda de espécies que chegam a cem vezes à da extinção natural. Tais taxas têm tido um crescimento exponencial recentemente. Em face desta situação, é premente a ação de governos e sociedade civil organizada para a tomada de decisões que visem a alternativas viáveis que conciliem desenvolvimento sem comprometimento da imensa riqueza biológica de nossa biosfera.


Downloads 21352  21352  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista Paidéi@, Vol. 2, n. 4, 2010  Site http://revistapaideia.unimesvirtual.com.br
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!As constelações indígenas brasileiras Popular Versão: pdf
Atualização:  8/10/2012
Descrição:
AFONSO, Germano Bruno

A observação do céu esteve na base do conhecimento de todas as sociedades antigas, pois elas foram profundamente influenciadas pela confiante precisão do desdobramento cíclico de certos fenômenos celestes, tais como o dia-noite, as fases da Lua e as estações do ano. O índio brasileiro também percebeu que as atividades de pesca, caça, coleta e lavoura obedecem a flutuações sazonais. Assim, ele procurou entender essas flutuações cíclicas e utilizou-as, principalmente, para a sua subsistência.

Downloads 14361  14361  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Observatórios virtuais  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Quando os micro-organismos salvam vidas - Seres diminutos a serviço da produção de medicamentos Popular Versão: PDF
Atualização:  2/3/2012
Descrição:
LOPES, Adriana A.; GUIMARÃES, Denise O.; PUPO, Mônica T.

É comum que a simples menção à palavra micro-organismo cause apreensão. Afinal, esses seres microscópicos são, muitas vezes, vilões quando o assunto é doença. Mas muitos deles têm sua faceta do bem. Uma delas – tema deste artigo – é a produção de medicamentos que salvam vidas. Mas vale, já neste início, lembrar que, há séculos, os micro-organismos estão a serviço do bem-estar dos seres humanos, ajudando-nos a produzir vinho, cerveja, vinagre, queijo, iogurte... A lista de benfeitorias é longa, como o leitor poderá conferir nas próximas páginas.

Palavras-chave: Micro-organismo. Produção de medicamentos.

Downloads 10896  10896  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma CIÊNCIAHOJE | VOL. 48 | 286  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora! Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Popular Versão: PDF
Atualização:  17/5/2012
Descrição:
MORTIMER, Eduardo Fleury.

Neste artigo discutiremos criticamente alguns aspectos do construtivismo e das estratégias de ensino para mudança conceitual, buscando construir um modelo alternativo para compreender as concepções do estudantes dentro de um esquema geral que permita relacioná-las e ao mesmo tempo diferenciá-las dos conceitos científicos apreendidos na escola: a noção de perfil conceitual. Essa noção permite entender a evolução das ideias dos estudantes em sala de aula não como uma substituição de ideias alternativas por ideias científicas, mas como a evolução de um perfil de concepções, em que as novas ideias adquiridas no processo de ensino-aprendizagem passam a conviver com as ideias anteriores, sendo que cada uma delas pode ser empregada no contexto conveniente. Através dessa noção é possível situar as ideias dos estudantes num contexto mais amplo que admite sua convivência com o saber escolar e com o saber científico.

Palavras-chave: Construtivismo. Mudança conceitual. Perfil conceitual.

Downloads 6090  6090  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma   Site 
Avaliação: 6.00 (1 voto)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!As fases da lua numa caixa de papelão Popular Versão: PDF
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
SARAIVA, Maria de Fátima O.; AMADOR, Cláudio B.; KEMPER, Érico; GOULART, Paulo Goulart; MULLER, Angela.

Neste trabalho propomos a construção de material didático de baixo custo para demonstração do conceito de fases de um corpo iluminado. O principal objetivo de nosso material é facilitar a compreensão das fases da Lua da perspectiva de um observador na Terra. O material ajuda na visualização de dois efeitos importantes: (1o) mesmo tendo sempre a metade da "Lua" (representada por uma bolinha de isopor ou de ping-pong) iluminada pelo "Sol" (representado por uma fonte de luz natural ou artificial), nós vemos diferentes frações de sua superfície iluminada, dependendo do ângulo pelo qual a olhamos; (2o) a orientação da borda convexa da Lua nas fases Crescente e Minguante também depende da perspectiva pela qual a olhamos da Terra. O uso de uma caixa fechada permite observar o contraste entre as diferentes fases sem necessidade de estar em uma sala escurecida. Apresentamos também um texto explicativo sobre fases da Lua, enfatizando a dependência da aparência da parte iluminada com o ângulo de visada.

Palavras-chave: Ensino de astronomia. Material didático. Fases da Lua.

Downloads 5600  5600  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Afinal, para que serve o rato? Popular Versão: pdf
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
BLAUTH, Patrícia R.

Essa curiosa pergunta me foi feita por um aluno da 5ª série em uma aula de ciências. Questões semelhantes – ‘Borboletas têm utilidade?”, “Pra que existe barata?”, “Baleia é tão importante?” – me revelam a maneira como a maioria das crianças das minhas classes via os animais.

Downloads 4481  4481  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista de Ensino de Ciências  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Revisão do mecanismo fisiopatológico da amebíase Popular Versão: PDF
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
CHAVES, Antonio Carlos Palermo; SEIXAS FILHO, José Teixeira de; DANTAS, Marcia Macedo Lima.

O trabalho teve por objetivo rever na literatura a relação do parasito com o hospedeiro e os mecanismos fisiopatogênicos da Entamoeba histolytica. A amebíase é uma doença que acomete o homem, causada pelo protozoário Entamoeba histolystica, da família Entamoebida, do filo Sarcomastigophora e classe Lobozia. É transmitida de individuo para individuo, pela ingestão de alimentos ou água contaminada pelos cistos do parasito. Tem como foco primário o intestino causando desinteria, colite e
enterocolite amebiana; podendo atingir outros órgãos e tecidos através da corrente sanguínea causando processos inflamatórios e necrose. A amebíase é uma infecção cosmopolita, com distribuição mundial, principalmente em países subdesenvolvidos de clima quentes, tropicais e subtropicais, onde o saneamento básico é inadequado e o abastecimento de água é precário. O processo de invasão tecidual tem localização preferencial no ceco e no retossigmóide, sendo iniciado pelo reconhecimento de uma molécula do epitélio intestinal pelo parasito. Esta revisão permite que se conclua que o governo deva priorizar, principalmente nas periferias, o saneamento básico, o abastecimento de água potável sendo dever dos governantes propiciarem alimentação adequada, educação sanitária e ambiental, assim como se torna urgente a criação de
um programa de prevenção a Amebíase, segunda doença parasitária que mais causa mortes anualmente no mundo. Podem-se iniciar pelo incentivo as pesquisas, principalmente os estudos dos mecanismos fisiopatológicos, que aumentam a virulência do parasito, para que uma possível vacina seja desenvolvida, diminuindo ou erradicando essa doença.

Palavras-chave: Contaminação. Entamoeba histolytica. Epidemiologia. Parasitose. Saneamento básico.

Downloads 4351  4351  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista Augustus | Rio de Janeiro | Vol. 14 | N. 2  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Um Olhar Sobre a Questão da Formação do Professor de Ciências-Condição Para a Prática Docente Eficaz Popular Versão: pdf
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
PICELLI, Zoraya Lúcia da Silva Dalossi

A complexidade do contexto em que se dá a educação e as múltiplas variáveis que nela interferem não podem ser desprezadas. Porém não se pode ignorar a nfluência significativa da prática do professor nesse processo. Da mesma forma é essencial considerar o perfil do professor como resultado de experiências vivenciadas ao longo de sua vida acadêmica, que inclui os cursos de formação docente, sejam eles de caráter inicial ou complementar, os chamados cursos de formação continuada, que também têm sido alvo frequente de críticas tanto por parte daqueles diretamente envolvidos, os professores, como por parte daqueles que investigam os problemas educacionais, os pesquisadores. Assim os resultados do processo ensino/aprendizagem que têm sido alcançados ao longo dos últimos anos, apontam que algo não está bem nas salas de aula. O objetivo do presente texto é analisar a formação docente considerada como um dos fatores determinantes na obtenção desses resultados. Faz algumas reflexões, também, de acordo com as leituras feitas para a construção deste (Alarcão, (2007); Carvalho e Gil-Pérez, 2001; Imbernón, 2006; Lorencini Júnior, 2000; Mizukami, 2002) e outros, sobre as possibilidades de reformulações tanto da formação inicial quanto da continuada. Aborda-se, portanto ao longo do texto, principalmente as características presentes na estrutura dos cursos de formação inicial e continuada, assim como as perspectivas para a reestruturação dos mesmos, como condição necessária para mudanças efetivas na prática em sala de aula e na obtenção de resultados melhores na aprendizagem dos alunos.

Palavras-chave: Formação docente. Formação ambiental. Pesquisa-ação. Ensino reflexivo.


Downloads 4092  4092  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UEL  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


(1) 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 »