Educadores

Ínicio : Ciências : Artigos : 



Ordenar por:  Título () Data () Notas () Popularidade ()
Ordenados por: Popularidade (Do mais para o menos procurado)

Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental: ações que favorecem a sua aprendizagem Popular Versão: PDF
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
ZANON, Dulcimeire Ap Volante; FREITAS, Denise de.

Este artigo tem como objetivo discutir a importância das atividades investigativas e das interações discursivas em sala de aula no ensino de Ciências. Essas atividades podem ser entendidas como situações em que o aluno aprende ao envolver-se progressivamente com as manifestações dos fenômenos naturais, fazendo conjecturas, experimentando, errando, interagindo com colegas, com os professores, expondo seus pontos de vista, suas suposições, e confrontando-os com outros e com os
resultados experimentais para testar sua pertinência e validade. Esses processos de ensinoaprendizagem têm no início da escolarização uma importância ainda maior, pois auxiliam os alunos a atingir níveis mais elevados de cognição, o que facilita a aprendizagem de conceitos científicos. Ao se utilizar o instrumento analítico desenvolvido por Mortimer e Scott, foi possível revelar as dinâmicas interativas e os fluxos de discurso em salas de aula das séries iniciais do Ensino Fundamental,
ajudando a compreender aspectos importantes da prática docente e do processo de aprendizagem científica dos alunos.

Palavras-chave: Ensino e aprendizagem de Ciências. Atividades investigativas. Interações discursivas.

Downloads 724  724  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Ciências & Cognição 2007; Vol 10: 93-103  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Freire e Vigotski no contexto da Educação em Ciências: aproximações e distanciamentos Popular Versão: pdf
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
GEHLENL, Simoni Tormöhlen; AULER, Milton Antonio Auth2 Décio; ARAÚJO, Maria Cristina Pansera-de; MALDANER, Otavio Aloisio

No contexto da Educação em Ciências, as concepções de Paulo Freire e Lev S. Vigotski, individualmente, têm contribuído para a configuração de novas perspectivas de análise e teorização do conhecimento científico produzido e apropriado pelos sujeitos. O estudo teórico apresentou indicativos de que as idéias de Freire e Vigotski aproximam-se em três aspectos: a) a valorização do conhecimento cotidiano; b) as semelhanças entre o papel dos especialistas em Freire e dos sujeitos mais capazes em Vigotski e c) a conscientização; e apresentam distanciamentos em dois: a) na gênese do conhecimento e b) no ponto de partida do processo de aprendizagem. Além do mais, sinaliza-se que a possível complementaridade das idéias dos autores pode enriquecer propostas curriculares para a Educação em Ciências.

Palavras-chave: Conhecimento Cotidiano e Científico, Gênese do Conhecimento, Educação em Ciências.

Downloads 719  719  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista Ensaio - Vol. 10 - nº2 - dezembro de 2008  Site http://www.fae.ufmg.br/ensaio
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Impressôes de Estudantes Universitários sobre a Presença das Mulheres na Ciência Popular Versão: pdf
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
TEIXEIRA, Ricardo Roberto Plaza; COSTA, Paola Zarrella da

O objetivo deste trabalho é analisar a presença das mulheres nas ciências naturais nos aspectos histórico, social e epistemológico e tem como objetivo esclarecer as formas como esta presença ocorre. É feita uma análise de uma pesquisa realizada com estudantes universitários de um curso de licenciatura em física sobre a relação entre as mulheres e a ciência. São analisadas, também, as estratégias e práticas pedagógicas de educação científica que melhor se adaptem ao perfil feminino para permitir que professores de ciências naturais atuem como agentes de mudanças de modo a atrair mais mulheres para este campo de conhecimento.

Palavras-chave: História da Ciência. Mulher. Física. Sexismo.

Downloads 710  710  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista Ensaio - Vol.10 - nº2 - dezembro de 2008  Site http://www.fae.ufmg.br/ensaio
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!O ensino da astronomia por meio de oficinas, experimentos interativos e atividades lúdicas  Popular Versão: pdf
Atualização:  8/10/2012
Descrição:
CRUZ, Lívia Camargos; CARDOSO, Walmir Thomazi

O presente trabalho visa mostrar o resultado do desenvolvimento de materiais lúdicos/interativos e a aplicação de dinâmicas em oficinas de baixo custo para ensino e divulgação da astronomia, aplicados desde 2009 na Escola Municipal de Astrofísica (EMA) e no planetário “Professor Aristóteles Orsini” (Parque do Ibirapuera, Departamento de Educação Ambiental – DEA, da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente da Prefeitura de São Paulo – SVMA). A metodologia empregada no trabalho foi qualitativa (flick, 2007), considerando a interação de componentes metodológicos e teorias, assim como as abordagens de problemas.
Palavras-chave: oficinas de Astronomia, experimentos de baixo custo, atividades údicas de Astronomia.

Downloads 705  705  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia (FCET)  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Teatro como ferramenta de aprendizagem da Física e de problematização da natureza da ciência Popular Versão: PDF
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
MEDINA, Marcio; BRAGA, Marco.

Neste artigo apresentamos uma experiência didática onde as relações entre Física e Arte se apresentam através da História da Ciência. O teatro é o elemento motivador de uma metodologia de ensino voltada para uma aprendizagem interdisciplinar, que coloca em prática os pressupostos indicados na Lei de Diretrizes e Bases (LDB) 9394/96 e nos Parâmetros Curriculares Nacionais PCN+ (2002). Na atividade foram desenvolvidas as habilidades e competências necessárias para a vida, a partir da encenação teatral de um texto adaptado da peça “A Vida de Galileu Galilei” de Bertolt Brecht. O texto foi adaptado visando explorar o conteúdo de Física, de Astronomia e áreas afins. Pretende-se, a partir daí,alcançar uma maior integração entre as disciplinas científicas e destas com as de ciências humanas e sociais. A peça ocorre como parte de um trabalho sobre a revolução científica, técnica, artística, econômica e social ocorrida durante os séculos XVI e XVII. O trabalho foi acompanhado de uma pesquisa sobre a aprendizagem e interesses dos alunos em relação à Física onde se procurou avaliar as vantagens e desvantagens da metodologia adotada. Procuraremos, aqui, descrever as etapas do trabalho desde as primeiras discussões travadas em sala até a montagem da peça. Nesse processo, os alunos tiveram uma participação efetiva, desde a idealização à execução final do trabalho, incluindo os ensaios, a pesquisa e a produção de cenários e figurinos, marcação de cenas, layout dos programas da peça, do cartaz, etc. Os resultados alcançados apresentaram-se de acordo com as competências gerais, habilidades e o letramento, defendidos pela nova educação exigida para os alunos do século XXI.

Palavras-chave: Ensino de Física. Interdisciplinaridade. História da Ciência. Teatro Científico.

Downloads 697  697  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Cad. Bras. Ens. Fís., v. 27, n. 2: p. 313-333, ago  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Raízes Históricas da Difícil Equação Institucional da Ciência no Brasil Popular Versão: pdf
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
ALFONSO-GOLDFARB, Ana Maria; FERRAZ, Márcia H. M.

Apresenta-se, neste artigo, o quadro histórico da institucionalização das ciências no Brasil, procurando identificar, em diferentes períodos, a articulação (ou falta de articulação) dos quatro componentes fundamentais para que ocorra a institucionalização de qualquer área do conhecimento, a saber: ensino, pesquisa, divulgação e aplicação do conhecimento.

Palavras-chave: Ciência no Brasil. Institucionalização da ciência. Política científica.

Downloads 688  688  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma São Paulo: Perspec., Jul. 2002, v.16, n.3, p.03-1  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Calor e Temperatura no Ensino Fundamental: relações entre o ensino e a aprendizagem numa perspectiva Popular Versão: pdf
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
AGUIAR, Orlando Jr

Nesse trabalho, iremos examinar, em caráter exploratório e preliminar, as possibilidades e contribuições de um Modelo de Ensino como instrumento auxiliar ao planejamento, desenvolvimento e avaliação de propostas de ensino de ciências, voltados para a promoção de mudanças cognitivas. Para isso, serão descritos os instrumentos utilizados no planejamento de um curso introdutório de Calor e Temperatura junto a alunos/as de 8ª série do Ensino Fundamental, e analisados seus resultados. O Modelo proposto procura estabelecer patamares pedagógicos concebidos a partir das tríades sucessivas, que marcam a evolução do conhecimento causal em termos intra, inter e trans-objetais (Piaget e Garcia, 1987). A avaliação dos resultados do trabalho, a partir da análise dos materiais escritos produzidos pelos estudantes ao longo do processo, nos levam a afirmar a complexidade intrínseca da aprendizagem humana, entendendo por complexidade fenômenos históricos, irreversíveis, imprevisíveis e indeterminados (Prigogine e Stengers 1997/1984).

Palavras-chave: Calor e temperatura. Ensino e aprendizagem. Modelo de ensino.

Downloads 684  684  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma IENCI – V4(1), pp. 73-90, 1999  Site http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID48/v4_n1_a1999.pdf
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!Conocimiento Cotidiano Frente a Conocimiento Científico en la Interpretación de las Propiedades de.. Popular Versão: pdf
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
JULIÁN, María Sagrario Gutiérrez; CRESPO, Miguel Angel Gómez; POZO, Juan Ignacio

En este trabajo presentamos un estudio de cómo interpretan los estudiantes las propiedades de la materia. Se muestra cómo para interpretar la discontinuidad de la materia y el movimiento intrínseco de las partículas que la constituyen se recurre en numerosas ocasiones a representaciones alternativas a la teoría científica. Estas representaciones proporcionan una consistencia local centrada en la percepción de la materia, mientras que las teorías científicas son las únicas capaces de proporcionar una consistencia global.

Palabras-clave: Conocimiento cotidiano. Conocimiento científico. Propriedades de la materia.

Downloads 677  677  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma IENCI – V7(3), pp. 191-203, 2002  Site http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID88/v7_n3_a2002.pdf
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!O Açúcar Popular Versão: PDF
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
CHEMELLO, Emiliano.

Avida não seria possível sem o açúcar! Esta frase, mesmo para o maior entusiasta consumidor de guloseimas, parece um tanto exagerada, não achas? Mas, em uma interpretação literal da frase, considerando também que a 'espinha dorsal' de nosso DNA é constituída por moléculas de açúcar, realmente a vida, da forma como a conhecemos, não seria possível sem ele. O último artigo da série 'Química na Cozinha' não poderia deixar de ter como tema o açúcar, fato que é quase uma analogia que faz referência à tradição de servir a sobremesa, geralmente de sabor doce, ao final das refeições. O açúcar, da mesma forma que a cebola e o sal, temas das edições anteriores desta série aqui no ZOOM, está presente de maneira marcante na cozinha. Usamos muito de suas propriedades, mas, geralmente, desconhecemos porque e como elas atuam em nossas receitas e em nosso corpo. Sem falar que nem sempre tudo que é doce é açúcar, pois, nos últimos anos, o uso de adoçantes dietéticos artificiais e naturais teve um crescimento assusta-dor, tanto para fins medicinais como estéticos. Quais são as vantagens e desvantagens dos adoçantes artificiais e naturais? Qual o açúcar mais indicado: mascavo ou refinado? O que acontece com o açúcar na caramelização? Estas e outras perguntas serão discutidas e respondidas, mesmo que parcialmente, nesse artigo que pretende encerrar a série 'Química na Cozinha' mostrando quais são as particularidades desta especiaria que, há séculos, vem 'adoçando as nossas vidas'. Os capítulos foram produzidos independentes uns dos outros, de tal forma que eles podem ser lidos em qualquer ordem sem prejudicar com isso o seu entendimento.

Palavras-chave: Açúcar. Adoçantes dietéticos. Adoçantes artificiais. Adoçantes naturais.

Downloads 667  667  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Série Química na Cozinha | Editora Cia da Escola |  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: Ciências Artigos
Fazer Download agora!As fases da lua numa caixa de papelão Popular Versão: PDF
Atualização:  19/3/2012
Descrição:
SARAIVA, Maria de Fátima O.; AMADOR, Cláudio B.; KEMPER, Érico; GOULART, Paulo Goulart; MULLER, Angela.

Neste trabalho propomos a construção de material didático de baixo custo para demonstração do conceito de fases de um corpo iluminado. O principal objetivo de nosso material é facilitar a compreensão das fases da Lua da perspectiva de um observador na Terra. O material ajuda na visualização de dois efeitos importantes: (1o) mesmo tendo sempre a metade da "Lua" (representada por uma bolinha de isopor ou de ping-pong) iluminada pelo "Sol" (representado por uma fonte de luz natural ou artificial), nós vemos diferentes frações de sua superfície iluminada, dependendo do ângulo pelo qual a olhamos; (2o) a orientação da borda convexa da Lua nas fases Crescente e Minguante também depende da perspectiva pela qual a olhamos da Terra. O uso de uma caixa fechada permite observar o contraste entre as diferentes fases sem necessidade de estar em uma sala escurecida. Apresentamos também um texto explicativo sobre fases da Lua, enfatizando a dependência da aparência da parte iluminada com o ângulo de visada.

Palavras-chave: Ensino de astronomia. Material didático. Fases da Lua.

Downloads 647  647  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia  Site 
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


« 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 (12) 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 »