Educadores

Ínicio : História : Dissertações : 

Produções de Profissionais da Seed: Dissertações (26)


Ordenar por:  Título () Data () Notas () Popularidade ()
Ordenados por: Popularidade (Do mais para o menos procurado)

Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!A escola de Aprendizes Artífices do Paraná: "viveiro de homens aptos e úteis" (1910-1928) Popular Versão: PDF
Atualização:  4/10/2013
Descrição:
PANDINI, Silvia

A presente dissertação situa-se na esteira dos Estudos em História da Educação brasileira e abarca a Escola de Aprendizes Artífices do Paraná, entre 1910-1928, anos nos quais foi Diretor Paulo Ildefonso d’Assumpção. Tomando como tema central deste estudo a criança pobre – o menor – investiguei como a Escola de Aprendizes Artífices do Paraná tratou de inseri-la nos ideais de regeneração pelo trabalho, tirando-a da menoridade para alçá-la a futuro trabalhador ordeiro e útil a si e à nação. Servi-me dos Relatórios da Escola elaborados pelo Diretor, além de Minutas e Pastas de Ofícios. Utilizei também os textos elaborados por Paulo Ildefonso d’ Assumpção e publicados no jornal paranaense "A República", bem como reportagens sobre a Escola de Aprendizes Artífices divulgadas neste mesmo jornal e no "Diário da Tarde".

Palavras-chaves: Educação de crianças pobres. Ensino profissional. Escola de Aprendizes Artífices do Paraná. História da criança trabalhadora.

Downloads 2234  2234  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PPGE - UFPR  Site http://www.ppge.ufpr.br/inicio.htm
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!Para além da escola: identidade menonita e práticas socioeducativas Curitiba 1934-1948 Popular Versão: PDF
Atualização:  18/10/2013
Descrição:
BARBOSA, Francielly Giachini

A presente pesquisa evidencia o processo de tentativa de preservação e reconstrução de elementos identitários do grupo étnico e religioso menonita, que se instalou no bairro do Boqueirão, em Curitiba, no ano de 1934. Partindo do pressuposto que a identidade de um grupo não é algo estático, este trabalho recupera de que maneira em diferentes contextos e situações relacionais, os elementos base para identificações sofrem alterações, preservando, entretanto, elementos tradicionais. Para resgatar esse processo de mudança/preservação, esta pesquisa observa como, ao longo de 14 anos, os menonitas construíram patrimônios e também desenvolveram algumas práticas socioeducativas que reforçaram os elementos inerentes à sua identidade idealizada: seu Mennonitentum. A baliza temporal é 1948, pois é neste momento que a escola menonita, que havia sido fechada no contexto da Segunda Guerra Mundial e políticas nacionalista de Vargas, passa a ser dirigida novamente pelos menonitas, mas em contexto social e político diverso daquele vivido pelo grupo nos primeiros anos no Paraná. Buscou-se, ao longo da pesquisa, não fazer um controle da identidade menonita e negou-se a postura do pesquisador como um inquiridor que daria a sentença do que são e o que não são os menonitas. Pelo contrário, buscou-se clarear e sistematizar como os próprios menonitas se representavam juntamente com a representação que aqueles que estavam de fora fizeram deles no mesmo contexto. Os saberes ensinados nas práticas e costumes dos menonitas foram não só prescritos, mas vividos, experienciados por toda a comunidade, saberes que, muitas vezes, de maneira não escolarizada, nos batismos, festas variadas, velórios, estiveram estritamente ligados aos processos identitários do grupo.

Palavras-chave: Menonitas. Identidade. Mennonitentum.

Downloads 2217  2217  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PPGE - UFPR  Site http://www.ppge.ufpr.br/inicio.htm
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!As armas de outubro: militares e políticos no movimento belicista de 1930 no sul do Brasil Popular Versão: PDF
Atualização:  11/10/2013
Descrição:
FRANCO, André Luiz dos Santos

O tema deste trabalho está focado em uma reflexão histórica acerca das relações de poder entre militares e políticos que conduziram o movimento belicista de 1930 no sul do Brasil, buscando diagnosticar as diferentes armas discursivas de legalidade e legitimidade manifestadas por esses atores sociais. Os objetivos estão calcados na investigação da comunidade de imaginação, cujo alcance ultrapassou os limites da cultura política vigente, bem como na abordagem de um novo viés cultural dessas relações de poder, desvendando o processo de utilização da manifestação bélica como alternativa à hegemonia política dos grupos dominantes daquele período. Na realidade, "As armas de outubro" enfoca o fim da Primeira República e o começo da desordem para alcançar a ordem. Neste sentido, procura-se inovar ao centrar a análise na observação da cultura bélica que circulou por caminhos formais e informais. Os textos produzidos pela imprensa periódica escrita nos diferentes níveis de poder, assim como os documentos confeccionados por instituições governamentais, permitem compreender como as percepções desse movimento armado estavam inseridas nos diversos discursos sobre a legitimidade da quebra da legalidade. Desta forma, diante da pluralidade de estudos historiográficos sobre esse evento, mostra-se um cenário teórico-metodológico que aborda a tensão existente entre as matrizes interpretativas das culturas militar e política na constituição de uma aliança de poder que veio a convergir em uma representação bélica comum, onde o imaginário legalista foi alterado, permeando todas as instâncias de poder sulinas. O olhar sobre o dramático palco, repleto de incertezas e tensões, no complicado jogo político-militar, permite reviver os trágicos acontecimentos que fizeram sibilar os projéteis das armas nos campos de batalha do sul. A análise das fontes primárias do período desvenda como o intercâmbio dos poderes político e militar alicerçou esse movimento belicista na região meridional brasileira.

Palavras-chave: Movimento belicista de 1930. Relações de poder entre militares e políticos. Comunidade de imaginação. História cultural. História militar.

Downloads 2134  2134  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PGHIS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/historiapos/?lang=pt
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!O Império das Carapuças: Espaço público e periodismo político no tempo das regências (1832-1842) Popular Versão: PDF
Atualização:  18/10/2013
Descrição:
FELDMAN, Ariel

O objetivo deste trabalho é analisar, sob um enfoque político, os escritos de Miguel do Sacramento Lopes Gama (1792-1852) publicados no periódico O Carapuceiro, editado no Recife entre 1832 e 1842, durante o período das regências e nos primeiros anos do Segundo Reinado. A historiografia, desde o século XIX, tem privilegiado a crítica de costumes que, supostamente, empreendeu esse periódico. O presente trabalho, por sua vez, pretende lançar um olhar diferenciado e demonstrar como esse jornal exerceu grande influência nos espaços públicos de discussão política, e também revelar como as idéias de Lopes Gama representaram uma importante manifestação do pensamento conservador que sustentou as bases do império.

Palavras-chave: "O Carapuceiro". Período das regências. Espaços públicos. Discussão política. Periodismo.

Downloads 2045  2045  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PGHIS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/historiapos/?lang=pt
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!Rememorar a experiência docente: relatos de professores de história da rede pública estadual de São Popular Versão: PDF
Atualização:  24/10/2013
Descrição:
PINCHEIRA, Andrés Evaristo Reyes

Esta é uma pesquisa que se inscreve nos estudos autobiográficos. Por meio de relatos de sujeitos que construíram sua experiência como professores de História na rede pública estadual, procurou-se investigar dimensões do trabalho docente no Estado de São Paulo. O objetivo é deslindar como os sujeitos percebem a sua existência como professor, constroem a sua identidade, avaliam seu percurso no trabalho docente. Assim, por meio das rememorações, histórias de vida, o que se quer é apreender a historicidade de seu desenvolvimento profissional e, dessa forma, os múltiplos processos que ajudaram a constitui-lo na totalidade dos processos formativos. O texto que ora apresentamos centrou-se na análise em três fatores da prática docente. Em primeiro lugar, descrevemos e analisamos os dilemas da formação inicial, Básica e Superior, um processo de ensino e aprendizagem que foi marcado por práticas docentes fragmentadas, sem inter-relação entre as disciplinas e a falta de um trabalho pautado no diálogo. A seguir, analisamos a trajetória do ensinar História na escola, entrecruzando as falas dos professores entrevistados com documentos oficiais, buscamos discutir as finalidades dessa disciplina escolar, seus métodos de ensino e as controvérsias em torno da ideia de professor "tradicional", perspectivas que dicotomizam um ensino "centrado no aluno" versus um ensino "centrado no professor". Finalmente, analisamos o lócus no qual esses sujeitos exerceram a sua experiência docente: a escola pública estadual. Assim, são discutidas questões relativas às condições de trabalho, a deterioração da escola, o trabalho solitário. Efetuamos também uma discussão acerca da idéia de cidadania por meio da elaboração do projeto político-pedagógico da escola numa perspectiva da cidadania ativa, participativa, na qual os sujeitos que compõem a comunidade escolar possam discutir suas necessidades e as finalidades. Por meio deste estudo concluímos como a escola pública se deteriorou, principalmente, com as "políticas públicas" neoliberais, na qual a cidadania é percebida como uma relação de mercado e participação como sinônimo de trabalho voluntário na escola. Dessa forma, ocorre um processo de expulsão de professores da rede pública estadual.

Palavras-chave: Ensino básico. Ensino de História. Experiência docente. Formação inicial. Políticas públicas educacionais. Professores de História.

Downloads 2006  2006  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma FEUSP - USP  Site http://www4.fe.usp.br/pos-graduacao/indice-geral-da-pos-graduacao
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!Demandas de mulheres junto à Justiça do Trabalho: a memória do trabalho como presente do passado Popular Versão: PDF
Atualização:  14/10/2013
Descrição:
BONINI, Altair

O objeto da pesquisa são as mulheres trabalhadoras de Curitiba, que atuavam nos setores secundário e terciário, no recorte temporal compreendido entre 1960 e 1975. Buscamos fragmentos do cotidiano do trabalho de mulheres curitibanas, as relações de gênero, de dominação e de exploração, através de ações trabalhistas impetradas por trabalhadoras. No contexto da acentuada industrialização e urbanização do Paraná estão contidos novos comportamentos e atitudes dos trabalhadores, quer diante do capital quer diante das perspectivas de vida que lhes eram acenadas pelas frequentes mudanças no arcabouço do judiciário do trabalho. Nossas principais fontes: uma massa documental constituída de processos trabalhistas do Tribunal Regional do Trabalho de Curitiba (9ª Região), que estão depositadas no CPDP, órgão do Departamento de História (UEM), dos quais foram selecionados aqueles em que figuravam relações de gênero e de poder e que evidenciaram as condições cotidianas do trabalho. Abordamos o contexto histórico do Brasil e do Paraná, entre 1960 e 1975, com objetivo de entendermos as condições de trabalho vividas pelos integrantes das classes subalternas, em especial as mulheres, bem como os aspectos do trabalho vinculados ao desenvolvimento da industrialização. Entender as questões relativas ao trabalho urbano de mulheres em Curitiba, analisar as representações em torno das ocupações femininas formuladas pelos empregadores, pelo judiciário e aquelas contidas no Direito do Trabalho, bem como as transformações de normas e leis nestas áreas, a fim de proteger o trabalho feminino, são alguns dos objetivos propostos. Assim, descortinamos as relações de gênero e as especificidades das histórias de mulheres que recorreram contra seus ex-patrões, denunciando a exploração por meio de artimanhas do capital para desqualificar seu trabalho e seus direitos.

Palavras-chave: Trabalho feminino. Representações. Direito do Trabalho.

Downloads 1944  1944  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PPH - UEM  Site http://www.pph.uem.br/Site/
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!Condá e Viri: chefias Indígenas em Palmas-PR, década de 1840 Popular Versão: PDF
Atualização:  14/10/2013
Descrição:
MALAGE, Katia G. J. Menezes

Na história indígena brasileira, dois caciques permanecem vivos no presente através da documentação existente ou nos locais em que são lembrados. Vitorino Condá e Estevão do Nascimento Viri são os dois chefes indígenas que compõem a temática deste trabalho no sentido de chamar a atenção para alguns aspectos novos, a partir de documentação ainda não analisada sobre estes caciques que atuaram nos Campos de Palmas. O objetivo do estudo foi analisar as relações estabelecidas entre os referidos chefes com o governo imperial e com as expedições que foram enviadas pela Coroa Portuguesa para explorar os Campos de Palmas. Também foi foco de estudo a relação entre Condá, Viri e indígenas denominados de “selvagens”, índios estes, que representavam uma ameaça à população que se formava na área de abrangência definida. O período de análise delimitou a década de 1840, sendo a pesquisa norteada por dois documentos deste período: uma Justificação e um Ofício, ambos de 1844. Tais documentos trazem Condá como um assassino, ideia contrária a grande parte das demais fontes existentes sobre o mesmo. Os resultados indicam que Condá e demais índios de Palmas, ora eram postos como mansos e ora como assassinos, representavam que a violência fazia parte da mansidão e vice versa. A ação deles em colaborar e, em certos momentos, apresentarem-se com certa rebeldia, fazia parte do próprio jogo político no qual atuavam, confirmando-lhes o papel de chefes. Além de manterem estreitas relações com o governo imperial, Condá e Viri garantiram para os seus, parte do território que foram sendo ocupados pelas expedições, que se estabeleceram dentro dos campos de Guarapuava e de Palmas, bem como mantiveram bons laços com estes colonizadores. Concluiu-se que o trabalho realizado com a documentação permitiu avançar no conhecimento a respeito das condições locais em Palmas e sobre a história de Condá e Viri.

Palavras-chave: História indígena. Kaingang. Condá. Viri.

Downloads 1875  1875  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PGHIS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/historiapos/?lang=pt
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!Revista Civilização Brasileira (1965-1968) : uma cultura de esquerda no cenário político ditatorial  Popular Versão: PDF
Atualização:  18/10/2013
Descrição:
NEVES, Ozias Paese

Os anos sessenta exercem um enorme fascínio sobre aqueles que se dedicam ao estudo das transformações da sociedade brasileira no século XX. Mudanças na concepção do desenvolvimento nacional, alterações nos rumos da política interna e externa e diferentes visões sobre a questão comportamental são apenas alguns dos inúmeros elementos que compõem esse complexo quadro. Daí a nossa motivação para investigar algumas das transformações ocorridas na cultura brasileira dessa década, e, em especial, como os integrantes de uma cultura de esquerda intelectual realinharam suas ações e seus valores no início da ditadura militar.

Palavras-chave: Relações de poder. Relações culturais. Revista Civilização Brasileira. Cultura. Esquerda. Ditadura militar. Socialismo. Comunismo. Revolução. Desenvolvimento.

Downloads 1848  1848  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PGHIS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/historiapos/?lang=pt
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!Plantadores de raiz: escravidão e compadrio nas freguesias Popular Versão: PDF
Atualização:  18/10/2013
Descrição:
SILVA, Denize A. da

Nas últimas décadas a historiografia brasileira vem concentrando esforços na direção de entender as sociabilidades dos escravos. Neste sentido, esta pesquisa sobre escravidão e compadrio de escravos nas freguesias de Nossa Senhora da Graça e de São Francisco Xavier, no período entre 1845 a 1888, investiga as estratégias de construção das relações sociais nos cativeiros destas localidades. As referidas freguesias estavam localizadas no litoral norte da antiga Província de Santa Catarina atual Estado do mesmo nome, tinham como características marcantes uma economia de abastecimento, escravarias relativamente pequenas e uma população escrava na sua maioria crioula. Os documentos sugerem, em especial sobre a freguesia Nossa Senhora da Graça, que os senhores estavam intimamente envolvidos no tráfico interno de cativos, e que possivelmente cederam escravos para outras regiões. A análise sobre escravidão está centrada nas relações de compadrio dos escravos. O compadrio mostrou muitos aspectos sobre a vida em cativeiro e também apontou para as estratégias desenvolvidas para organizar redes sociais no interior e fora da comunidade escrava. Percebeu-se que o compadrio propiciou aos cativos ampliar e solidificar arranjos e laços familiares, pois gerava um compromisso de solidariedade entre pais, padrinhos e afilhados. Durante muito tempo ventilou-se a idéia que os escravos procuravam no compadrio uma forma de garantir "vantagens" e que sendo assim apostavam em compadres com melhor posição social. No que diz respeito ao compadrio de escravos na freguesia Nossa Senhora da Graça, notou-se que um número significativo de cativos preferiu firmar laços de compromisso com seus pares. Em alguns momentos forma 43,2% de crianças cativas sendo batizadas por pessoas nesta mesma condição social. Nas freguesias estudadas o compadrio muito provavelmente se apresentou como uma estratégia para os escravos ampliarem e solidificarem suas relações comunitárias.

Palavras-chave: Escravidão. Compadrio. Comunidade escrava. Tráfico interno.

Downloads 1766  1766  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PGHIS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/historiapos/?lang=pt
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!Os manuais de didática da história e a constituição de uma epistemologia da didática da história Popular Versão: PDF
Atualização:  18/10/2013
Descrição:
RODRIGUES JUNIOR, Osvaldo

Este trabalho parte da existência do código disciplinar da Didática da História a partir de Urban (2009) e Schmidt (2004, 2005, 2008a, 2008b, 2008c, 2009), objetivando compreender elementos da epistemologia desta disciplina. Dessa forma, os objetivos traçados para o presente trabalho foram: i) analisar a relação entre a Teoria da História e os saberes pedagógicos na constituição da Didática da História em três manuais de didática específica; ii) analisar também esta relação a partir das entrevistas realizadas com as autoras destes manuais. Os manuais analisados nesta dissertação foram: 1) Didática e Prática de Ensino de História, de Selva Guimarães Fonseca (2003); 2) Ensinar História, de Marlene Cainelli e Maria Auxiliadora Schmidt (2004); 3) Ensino de História: fundamentos e métodos, de Circe Maria Fernandez Bittencourt (2004). Metodologicamente, o trabalho foi divido em três etapas: a primeira, de leitura do material empírico, problematização da investigação e escolha das unidades de análise; a segunda, de organização dos dados; a última etapa, de análise dos dados. Este estudo toma como referência o conceito de Didática da História de Rüsen (2007a), entendida como "a ciência do aprendizado histórico", compreendendo que a Teoria da História e a Didática da História são fundadas sobre as mesmas bases, a especificidade do conhecimento histórico científico. Toma-se também, a concepção de que os manuais de Didática da História produzidos para os professores são importantes documentos na compreensão das formas de ensinar e de aprender. (BUFREM; GARCIA; SCHMIDT, 2006). No primeiro momento da pesquisa foram apontadas reflexões a respeito dos manuais como elementos da cultura (WILLIAMS, 2001), bem como sobre o percurso de produção destes manuais no Brasil (SCHMIDT, 2008c). No segundo momento fez-se uma leitura dos materiais empíricos, explicitando a organização dos saberes nestes manuais a partir de Bergmann (1990) e Varela (1994). Em um terceiro momento, foram analisados os manuais a partir de três unidades de análise: fontes históricas, conceitos históricos e tempo histórico. No quarto momento, foram analisadas as entrevistas realizadas com as autoras dos manuais utilizados. A partir da bibliografia e das análises empíricas intencionou-se entender a relação entre a Teoria da História e os saberes pedagógicos na constituição da Didática da História presente nos manuais.

Palavras-chave: Didática da História. Manuais de Didática da História. Ensino de História.

Downloads 1734  1734  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PPGE - UFPR  Site http://www.ppge.ufpr.br/inicio.htm
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


« 1 2 3 (4) 5 6 7 8 9 10 11 12 »