Educadores

Ínicio : História : Dissertações : 

Produções de Profissionais da Seed: Dissertações (26)


Ordenar por:  Título () Data () Notas () Popularidade ()
Ordenados por: Notas (Do melhor para o pior avaliado)

Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!A reintegração social dos ex-combatentes da Força Expedicionária Brasileira (1946-1988) Popular Versão: PDF
Atualização:  10/10/2013
Descrição:
ROSA, Alessandro dos Santos

Este estudo tem como objetivo analisar o processo de reintegração social dos ex-combatentes da Força Expedicionária Brasileira, entre 1946-1988. No total 25.334 militares singraram as águas do oceano Atlântico, sendo enviados para a frente de combate na Campanha da Itália, entre 1944-1945. Após o final da Segunda Guerra Mundial, ainda em solo italiano, teve início o processo de desmobilização e dissolução da FEB. Logo após a chegada do efetivo febiano em terras brasileiras, principiou uma nova batalha: a luta por reconhecimento histórico de sua participação na guerra e inserção social da sua memória, em função das dificuldades encontradas no processo de reintegração social e profissional. Para tanto, foram organizadas associações de ex-combatentes, entidades para prestar apoio e leis de amparo foram criadas. A primeira lei especificamente para prestar assistência aos ex-febianos foi editada no ano de 1946. Porém, passaram-se mais de quatro décadas para que todos ex-combatentes fossem assistidos por essas leis. No ano de 1988, com a promulgação da nova Constituição, de uma forma geral, todos ex-integrantes do efetivo expedicionário foram amparados pela legislação. Paralelo a isso, foram travados embates contra o isolamento e esquecimento por parte das autoridades governamentais e da sociedade da sua história e memória.

Palavras-chave: Força Expedicionária Brasileira. Ex-combatentes. Reintegração social. História.

Downloads 378  378  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PGHIS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/historiapos/?lang=pt
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!Inventando gênero: feminismo, imprensa e performatividades sociais na Rio Grande dos "Anos Loucos"  Popular Versão: PDF
Atualização:  18/10/2013
Descrição:
SOARES, Ana Luiza T.

O interesse em desacreditar o movimento feminista de inícios do século XX por meio de práticas discursivas que visavam resguardar o papel que tradicionalmente cabia às mulheres, perpassou por muitos veículos de informação. Esta prática também esteve presente nas páginas do jornal O Tempo, um dos mais longevos e importantes diários que circulou na cidade do Rio Grande entre os anos de 1906 a 1960. Para a análise dos discursos difundidos por este periódico estabeleci como baliza temporal as datas entre 1919, (data em que Bertha Lutz, principal representante do feminismo no período, fundou a Liga pela Emancipação Feminina, cujo intuito primordial era a concessão do sufrágio à mulher) e 1932, ano em que foi instituído o voto feminino no país. Nesse período, o jornal O Tempo esteve sob a direção do jornalista Alípio Cadaval, fundador do jornal e ilustre personagem na historiografia oficial da cidade, preocupado em combater, especialmente, o grupo liderado por Bertha Lutz. A partir desse contexto, procuro discutir de que forma O Tempo construiu/difundiu enunciados performativos sobre as ideias feministas, afirmando posições e papéis ideais a serem seguidos não só pelas mulheres da época, mas também, pelos homens. Para tanto, parto do pressuposto de que os discursos, ao descrever as mulheres, e também os homens, definiam papéis e identidades permitidos às relações de gênero, relegando estes sujeitos à apenas uma de suas múltiplas facetas. Nesse sentido, busco referenciar a noção de discurso a partir da concepção de Foucault, na medida em que, para o autor, os discursos devem ser tratados como práticas que formam os objetos de que falam. Transpondo esta análise para a problemática de gênero, dialogo com Judith Butler, para a qual a linguagem que se refere aos corpos não faz somente uma constatação ou descrição desses corpos, mas, no instante da nomeação, constrói aquilo que nomeia.

Palavras-chave: Feminismo. Discurso. Imprensa. Performatividade.

Downloads 1499  1499  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PGHIS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/historiapos/?lang=pt
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!Arte e política: o teatro como prática de liberdade - Curitiba (1950-1978) Popular Versão: PDF
Atualização:  11/10/2013
Descrição:
SOUSA, Reginaldo C.

As décadas de 1950, 1960 e 1970, são marcadas no Brasil por intensas transformações em todas as dimensões da sociedade. Evoca o projeto de modernização que configurou comportamentos sociais. Foi o momento em que artistas e intelectuais alinharam-se à perspectiva desenvolvimentista e ao nacional-popular. Buscaram pensar o Brasil pela noção de brasilidade. Esta encontrava no passado cultural brasileiro uma dependência no que se refere aos grandes centros de decisão econômica e cultural. Caracteriza o período a instauração, em 1964, do golpe ditatorial-militar que significou a fragilidade das instituições políticas brasileiras e trouxe a derrocada do projeto de "revolução brasileira", idealizada pela esquerda nacionalista. Gradativamente aconteceu a militarização do sistema estatal e a centralização do poder do estado em nível federal, caracterizando um modo de governo baseado na violência, sob variadas formas. Isso não eliminou formas de sociabilidades configuradas em espaços nos quais era possível fazer debates políticos. Esses ambientes surgiram no campo da cultura e da arte e se mantiveram firmes, além da oposição ao arbítrio e laços afetivos. Sobre esse momento que trata essa pesquisa, toma-se o teatro como objeto de pesquisa para a compreensão sobre a relação arte e política em Curitiba nessas três décadas. Procura-se entender como o teatro constituiu-se em espaços de resistência a partir de uma noção de liberdade e política. Para isso, recorre-se a fontes como as Revista Programa das peças e documentos da DOPS. Para entender como os espaços constituíram em possibilidade de vivências fora da lógica militar, usa-se aqui o conceito de "heterotopia” de Michel Foucault, para quem os espaços, pela relação e interação que os indivíduos neles estabelecem, podem se tornar possibilidades onde vivencias podem tornar-se palpáveis e "reais”. Por ele torna-se possível entender as oposições ao regime e, ao mesmo tempo, como se deram os posicionamentos dos artistas frente à repressão e às transformações do momento.

Palavras-chave: Ditadura militar. Teatro. Política.

Downloads 3534  3534  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PGHIS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/historiapos/?lang=pt
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!O forjador - ruínas de um mito: Romário Martins (1983-1944) Popular Versão: PDF
Atualização:  18/10/2013
Descrição:
SZVARÇA, Décio R.

A construção de símbolos pela obra de Romário Martins, que identificam no Paraná e no paranaense os ideias de uma civilização é o objeto de estudo desse trabalho.

Downloads 2520  2520  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PGHIS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/historiapos/?lang=pt
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!A roda do mundo: Os fundamentos da Capoeira Angola "glocalizada" Popular Versão: PDF
Atualização:  11/10/2013
Descrição:
BRITO, Celso de

Este trabalho trata da análise etnográfica multissituada de grupos de Capoeira Angola das cidades de Lyon, na França (Grupo de Capoeira Angola Cabula), e de Curitiba, no Brasil (Grupo de Capoeira Angola Zimba), e suas relações no interior da "comunidade transnacional da Capoeira Angola". A análise considera o conjunto de normas ritualísticas da Capoeira Angola, chamado de fundamentos, para a formação das identidades dos sujeitos angoleiros que se organizam em um "sistema de linhagem" baseado na ideia de ancestralidade mítica africana. Vê-se que o "sistema de linhagem" expande-se pelo mundo, através da formação de "núcleos emergentes" e de sua aliança com grupos de Capoeira Angola tradicionais, segundo a lógica específica dos fundamentos. O "sistema de linhagem" funciona, então, segundo fundamentos vinculados à ancestralidade mítica africana que, por sua vez, também dita o funcionamento do ritual Roda de Capoeira Angola. Os fundamentos, como símbolos culturais, viajam até os "núcleos emergentes" levados por sujeitos viajantes, imagens midiáticas e trabalhos acadêmicos que formam um "mundo imaginado" da Capoeira Angola. Esse "mundo imaginado" da Capoeira Angola é entendido como um processo identitário contemporâneo, no qual a "tradição" e a "modernidade", o "local" e o "global", o "sagrado" e o "profano" se apresentam como pares de conceitos em relação dialética, cuja síntese compõe a "Capoeira Angola Glocalizada".

Palavras-chave: Transnacionalismo. Glocalização. Identidades. Capoeira Angola.

Downloads 1428  1428  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PPGAS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/antropologiasocial/
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora! Mato que vira mar, mar que vira mato: o território em movimento na vila de pescadores ... Popular Versão: PDF
Atualização:  21/11/2013
Descrição:
BAZZO, Juliane

Situada na Ilha do Superagüi, Estado do Paraná (Brasil), a vila de pescadores de Barra de Ararapira abrange um território em permanente mudança. Um processo erosivo natural – originado na chamada barra – impõe a seus habitantes a necessidade de transferência periódica de construções em terra e rotas de pesca. Em 1997, quando da ampliação do Parque Nacional do Superagüi, Barra de Ararapira foi incluída no interior dessa unidade de conservação, cujos limites são dados por coordenadas fixas que pouco combinam com a mobilidade do território do vilarejo. Ocorre assim o choque entre duas racionalidades distintas: de um lado, um grupo de forte vínculo com seu lugar graças ao exercício constante da memória; de outro, uma política pública na qual parques nacionais são espaços de proteção integral, onde a ação humana é vetada para assegurar o futuro do planeta. Esta etnografia se propõe a uma abordagem da problemática da territorialidade em Barra de Ararapira, a partir do traçado de sua “cosmografia”, delimitada por cinco itens: história de ocupação guardada na memória coletiva; vínculos afetivos com o território; regime de propriedade; uso social dado ao espaço e mecanismos de proteção dele. O trabalho de campo revelou que laços de parentesco e a devoção religiosa operam enquanto idiomas nativos para reconstruir, ordenar e refletir sobre um território em constante transformação. Ademais, evidenciou como esses elementos são acionados pelos pescadores em situações de defesa territorial.

Palavras-chave: Povos e comunidades tradicionais. Unidades de conservação ambiental. Conflitos socioambientais.

Downloads 1160  1160  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PPGAS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/antropologiasocial
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!Samba quente, asfalto frio: uma etnografia entre as escolas de samba de Curitiba Popular Versão: PDF
Atualização:  21/11/2013
Descrição:
VIACAVA, Vanessa M. R.

Nesta dissertação procuro compreender a relação do carnaval com a cidade de Curitiba, como as escolas de samba se organizam internamente, como procuram definir seu lugar no espaço urbano e como as políticas culturais administram o desfile das escolas de samba. Para tanto, esse trabalho apresenta duas partes distintas e complementares, a primeira, caracterizada pela narrativa histórica, onde defino uma cronologia do carnaval de Curitiba; e outra, etnográfica, desenvolvida nos barracões e quadras de todas as escolas de samba em atividades durante os ciclos carnavalescos de 2008/2009 e 2009/2010. Sobre a narrativa histórica, o parâmetro usado para delimitar as “fases” do carnaval de Curitiba diz respeito aos lugares onde o carnaval de rua se manifestou na capital paranaense. Na narrativa etnográfica, aproximo os conceitos da antropologia da performance e da experiência, a fim de perceber não apenas a dimensão ritual do desfile na avenida, mas também, procuro capturar as qualidades de improvisação e a capacidade reflexiva dos sujeitos. Destaco a relação das escolas com a Fundação Cultural de Curitiba, a forma de produção do carnaval e a manifestação de redes de sociais, assim como a circulação dos componentes e ritmistas das escolas de samba dos grupos A e B. No desfile das escolas de samba, ressalto a dimensão performática do evento, como os aspectos visuais são mediados pelo samba-enredo. Dessa forma, busco compreender não apenas a organização da estrutura carnavalesca, mas também sua relação com a cidade.

Palavras-chave: Curitiba. História. Carnaval. Políticas públicas. Performance.

Downloads 997  997  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma PPGAS - UFPR  Site http://www.humanas.ufpr.br/portal/antropologiasocial
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora! A construção de uma memória do regime militar: uma análise do filme "O que é isso companheiro?" Popular Versão: PDF
Atualização:  17/12/2013
Descrição:
O presente trabalho tem por objetivo analisar como o filme O que é isso, companheiro? construiu uma memória do regime militar, tendo como foco a ação de jovens grupos armados contra o governo ditatorial. Baseado no livro homônimo do militante Fernando Gabeira publicado no final dos anos 1970, momento marcado por uma intensa produção memorialística sobre aquele período histórico em meio à abertura política, o filme foi lançado quase 20 anos depois, em 1997, em meio a um movimento de retomada de produções cinematográficas brasileiras, num formato adequado ao cinema industrial. Pretende-se nesse trabalho conjugar a análise da construção ficcional baseada numa estrutura narrativa de matriz melodramática com as variáveis externas ligadas não só a produção, mas também ao contexto histórico e social no qual o filme foi produzido.

Downloads 12395  12395  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma FGV  Site http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/10157
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


Categoria: História Dissertações
Fazer Download agora!O arquivo está "morto"? Legislação e memórias de arquivar em Escolas Municipais de Curitiba (1963-19 Popular Versão: PDF
Atualização:  1/6/2017
Descrição:
COLERE, Sibele
O objetivo desta pesquisa foi a observação e investigação de práticas acerca da guarda e preservação dos arquivos ou documentos no cotidiano de escolas da Rede Municipal de Ensino de Curitiba entre 1963 e 1993, bem como de respectiva legislação. A todo momento são produzidas documentações das mais variadas espécies no cotidiano escolar, mas estas são tratados como meros registros, esquecendo-se sobretudo daqueles mais antigos, e ainda sem se atentar para sua importância na história do estabelecimento e do próprio registro. Isto porque, muitas vezes, esses registros não são percebidos como documentos históricos pela Equipe Escolar. Pretende-se então identificar e problematizar quais foram as práticas desenvolvidas em escolas da rede municipal, observando-se a guarda e preservação desses documentos. Ao trazer as práticas como objeto teórico, em Michel de Certeau, busca-se encontrar os meios para “distinguir maneiras de fazer”, quais táticas se fizeram presentes nas normas e nos atos de guarda. Traçando o caminho da pesquisa, diversas especificidades orientaram sua construção: investigação das leis e decretos que estrategicamente normatizaram a conservação documental, particularmente quanto às escolas municipais e seus documentos; problematização de como ocorreu tal organização no espaço escolar; identificação dos indivíduos que se ocuparam desta tarefa com a discussão de uma possível cultura escolar, na concepção de Dominique Julia, no âmbito da administração, sobre a conservação e guarda desses acervos e/ou documentos. Da análise e atuação junto aos objetivos propostos nesta pesquisa, as fontes consultadas foram a legislação brasileira e a do Paraná, bem como portarias e normativas relativas a documentos escolares disponíveis no Arquivo Geral da Secretaria Municipal de Educação e nas próprias escolas. Também foram utilizados depoimentos orais de secretários que revelaram, por meio da memória, como sendo estes registros a “representação do mundo social”. Conforme Roger Chartier, certamente foram as experiências particulares que os motivaram à organização e à guarda de registros escolares administrativos, regulamentados ou não. Como principais resultados, depreende-se que houve a busca pela Rede Municipal em afirmar-se com normativas referentes aos documentos de escolas municipais, por vezes apontando normativas estaduais ou ainda criando os seus próprios mecanismos de conservação, com cursos ou manuais como estratégias de uma padronização da documentação e dos procedimentos a ela relacionados. De outro lado, observou-se a prática dos secretários escolares que, por meio de experiências particulares ou convivência com outros secretários, organizaram este espaço de forma específica, às vezes observando certas normativas, às vezes ambientando-se na sua rotina e no espaço da secretaria escolar.

Palavras-chave: Arquivos escolares. Práticas de arquivo. Cultura escolar. Memórias. Rede municipal de ensino de Curitiba.

Downloads 335  335  Tamanho do arquivo 0 bytes  Plataforma UFPR  Site http://www.educacao.ufpr.br/portal/
Avaliação: 0.00 (0 votos)
Avaliar | Alterar | Informar erro | Indicar | Comentários (0)


« 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 (12)